Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2009

Simples lembraças

Hoje lembrei.
Lembrei de cada momento, como se este fosse o último. Lembrei cada sorriso dado, cada lágrima, cada timidez, cada briga, cada abraço. Nada passou desapercebido.
Lembrei de todos que um dia passaram por aqui. Bons, maus, bonitos, feios, carinhosos, estúpidos. Lembrei cada personalidade que vi.
Lembrei das duplas, trios, quartetos, quintetos e sextetos. Lembrei de cada grupo, cada tribo, cada raça, cada povo.
Lembrei da China, da Grécia, da Inglaterra, de Portugal, do Brasil.
Lembrei da escola, da escada, da grade, da fonte, do céu.
Lembrei da universidade, da biblioteca, dos professores, dos surtos.
Por algum motivo desconhecido eu lembrei de tudo, e foi como se acordasse de uma amnésia.
Eu dormi, apaguei, ou simplesmente selecionei o que queria, devia, lembrar. Mas hoje lembrei.
Lembrei daqueles que já amei, de todos que odiei. Tudo que proclamei, e até do que difamei. Lembrei.
Lembrei de quem eu era a dez anos, depois a sete, cinco, dois... Lembrei daquele menino que corria na ru…

Meu medo

Eu tive um sonho, e nesse sonho você, quase, foi minha.
Você vestia um lindo vestido preto, feroz. Seus cachos delineavam seu cabelo, mais que a última imagem que tinha em minha memória. Seus olhos me fitavam com ardor, algo que jamais vira em quaisquer outros olhos. Sua pele pálida reluzia sob a luz do luar. Seus lábios rosados, eram um perigo.
Era inacreditável, você estava ali, a poucos centímetros de mim, pela segunda vez. Não saberia explicar, mas eu me sentia confortável, talvez fosse efeito do whisky, que a essas horas era mais gelo que álcool.
O cenário era de um conto de fadas, um tanto quanto contemporâneo, mas na essência ainda era um conto de fadas. Uma casa antiga, iluminada, flores caindo a todo momento do céu. Leves gotículas de chuva, e aquele barulho das arpas.
Tudo bem eu sei que esse papo de amor, romance, e príncipe encantado, já está pra lá de demodê, mas quem sabe você ainda pense como eu.
No sonho, eu te tirei pra dançar, não era valsa, não era bossa, erra um pagode …

Identifique-se

"Sei que estive só, Afastado, esquecendo, Misturando coisas, Disfarçando, refazendo" (9MA)
De alguma forma esse trecho da música Misturando Coisas, tem sido o bordão dos meus últimos dias. E não que o que ele transmite seja algo negativo, ou que eu não me sinta bem com isso, muito pelo contrário. É um momento de introspecção, tem sido sempre assim. Os finais de ano remetem a novos planos de uma nova vida, e por mais cético que alguém venha a ser, ninguém está imune a essa vontade insaciável de mudança. Deve ser da essência do ser humano, mais ainda de mim. Se algo ficar estático por mais de alguns instantes podem crer, algo está errado, e quase sempre está. Fica assim destinado ao tédio.
Tenho sentindo falta de me dedicar a coisas que eu realmente acredito. Sentimentos que se foram, outros tantos que reaparecem, sem falar naqueles desconhecidos. É tudo muito bem-vindo. A ordem é de reciclagem total. Preciso reformular minha vida, não de forma drástica, preciso reformar certos po…

Agora, só agora

Eu queria ter o que falar
Alguma coisa pra compartilhar
Tirar do peito essa dor
Ó céus, mas que dor?
Alguém pára o mundo que eu quero descer
Quero um intervalo
Quero respirar
Talvez um descongestionante ajudaria
Sei lá
A vida tem momentos que são impossíveis de expressar em palavras
Eu tenho tudo para estar deprimido
Não estou
Tudo para estar feliz
Não estou
Tudo para estar exatamente como estou
Estagnado
Não dá pra reclamar que nada acontece
Mas nada flui
Não há dinâmica
Andamento
Eu quero amar
Mais que isso
Uma paixão arrebatadora que me desmonte o coração
Que me faça fazer loucuras
Insanidades
Quero correr o mundo atrás de um significado
Quero respostas
Mas antes preciso das perguntas
Quero fama, quero dinheiro, quero mulher, quero sexo

Tudo exatamente ao alcance das mãos
Talvez seja pedir demais
Talvez seja sonhar demais
Nada disso
Ainda deve ser pouco
Mas devo confessar, nesse momento a única coisa que realmente queria
Era ter um amigo pra confessar esses meus acessos
Alguém que m…

Contraresposta

Eu acreditei que jamais teria a chance de sentir isso novamente. Imaginei que o que tínhamos era para sempre, você me fez acreditar nisso. Não me queixo, não seria honesto, tudo foi fundamental. Mas você sabe, eu queria mais, você não soube dar, ou talvez você não quisesse dar. Eu não pedi nada além do que você podia dar, mas é bem provável que eu estava aquém.

Eu juro que tentei, fiz das tripas corações, aguentei até onde deu, fui além, mas quando um não quer, o outro desiste. E foi o que eu fiz... É mentira, nós sabemos, você desistiu bem antes. Mas não foi pra isso que vim te procurar desta vez. Não foi para cobrar, julgar, tampouco chorar, nem implorar por migalhas daquilo que você chama de amor, não, não sou disso. Orgulhoso demais, arrogante demais, petulante demais, mimado demais, arrasado demais.
Eu vim te agradecer, por cada segundo que você esteve aqui, e tenho que agradecer por você ter me deixado. Irônico não?! Mas hoje eu encontrei alguém. Pode acreditar bem diferente de mi…

Confissões drásticas de um neoromântico ferido

A você,

Confesso que pensei em largar tudo. Sair por aí afora, sem rumo, em qualquer direção. Gritar, correr, respirar algum oxigênio diferente.
Confesso que eu tremi da ultima vez que falei com você. Que ainda morro de ciumes daquele cara que você anda saindo. E que eu ainda te amo.
Confesso que eu não sou o que você pensa, nem mesmo o que eu penso. Sou uma andorinha andando pelo mundo, tentando encontrar perguntas para suas respostas.
Confesso que estou bem, bem melhor do que estaria se estivesse em sua companhia.
Confesso que estou apaixonado, que tenho novos amigos, que não sou mais o mesmo.
Confesso que estou esgotado. Me falta o ar, me falta o chão, me faltam palavras.
Confesso que pensei em me matar ao fim destas curtas linhas. Mas você sabe, não seria o plano perfeito.
Confesso que aquele amigo não está mais aqui, você não está mais aqui.
Confesso que eu só queria continuar sendo aquele mesmo menino imaturo e mimado de sempre.
Confesso que este menino ainda está aqui.
E acima de tudo, co…

Entreaberta

E é sempre assim

Não importa quanto tempo demore

Não importa o que você faça

Você sempre volta

Não importam as discussões

Os chingamentos, os palavrões

Você sempre volta

Não importa o que eu diga

Não importa o que eu faça

Você sempre volta

E volta da mesma forma

Precisando de mim

Eu Já gritei


Cansei...

Fiz de tudo para te parar

Tentei te fazer ficar

Te fazer voltar

Ainda assim você se foi

Tentei manter você afastado

Longe

Mas não importa

Sem mim você não vive


E sempre volta

Agora chega!

Vou fechar a porta

Escolha

{...}

Vai entrar ou vai sair?



Guaxuma

E aqui estou eu fazendo de minha vida poesia...

E não poderia ser diferente Revitalizado É como se sentia  Ainda com o sal O sol Na pele Plácidos momentos E ainda podia ouvir Sentir Olhar O mar As ondas Seu vai e vem incessante  O vento Suas rajadas de areia
E como se o sol tivesse ofuscado Mais que seus olhos Sua mente Sua alma. As pessoas ali Pareciam distantes O mar faz mesmo isso Assusta Acalma Impõe E a gente obedece

De Sol à Lua

"A vida é uma escalada, mas a vista é linda."



O dia estava quase amanhecendo. O sol no horizonte distante mandava sinais de fogo para aquecer aquela madrugada fria. Já passava das quatro da manhã, seus olhos pesados mal conseguiam se manter abertos. O corpo cansado, mais ainda a alma, ainda assim o sono não chegava.
Seus últimos dias não haviam sido dos melhores, estava sendo tomado por uma nuvem de impaciência incontrolável, sem explicação. Era tudo tão turvo, cinza, nada de preto no branco, cinza. Talvez por isso não conseguisse dormir, sua cabeça auto proibiu-se de descansar. Era um turbilhão, emoções, sentimentos, revoltas, traumas, e revelações. O que mais pesava em seu coração era o impacto que as últimas revelações haviam trazido para sua vida. Eram besteiras, mas não sem importância. 
A cortina já não impedia que a luz do sol se impusesse. O vento gélido da madrugada dava lugar a uma brisa leve, morna, como já não era a algum tempo. As lembranças pulsavam, como feridas …

Impaciente

Não sei o que escrever
Quer dizer até posso saber
Mas o fato é não querer
Não me sinto numa fase boa
E não sei por que
Queria me esconder
Fugir
Sair desse lugar
E continuo sem saber por que
Se ta tudo tão perfeito
Tudo em seu lugar
Como deveria estar...
Talvez isso esteja errado
Acho que não estou acostumado com perfeição
Tudo foi sempre tão conturbado
Tão errado
Fora de orbita
E agora, essa calmaria
Deveria estar feliz
E estou
Mas impaciente
Sinto a iminência de algo
Algo vai dar errado
Algo vai desandar
Como eu queria um esconderijo
O mar, a lua
Seria um bom lugar pra me esconder
É a carência que de novo bate a minha porta
E eu ainda não tenho a vida
Ainda preciso viver todas aquelas experiências
Sinto-me morto
Sem vida
Sem sangue
Eu, sozinho
Com meus amores
Meus medos
Minhas angustias
E essa impaciência
Que sequer me deixar terminar de dizer
E essa é a hipótese
Desistiram de mim
Que essa impaciência não me faça
De mim desistir

Eureca

Andava tão sozinho que por vezes esquecera-se de fazer-se companhia. Parece absurdo, mas a solidão era para si como um acessório qualquer, como um relógio que trazia no pulso, ou os óculos da face. Era algo tão seu, tão próprio, que não se incomodava de assim estar.
Certa vez, num dia de claro, agradável, em uma de suas caminhadas pelo parque pôs-se a admirar, não sabia bem o que olhava, era tudo tão normal. Havia beleza, claro, mas nada espetacular, nada que fosse digno de mais que cinco minutos de atenção, ainda assim se demorou. Eram longos minutos, podia sentir, mas não cabia naquele momento preocupação com o tempo, nada mais importava se não seus devaneios.
Seus pensamentos iam longe, milhas e milhas distantes, não tinha um foco, era uma estrada tortuosa, cheia de transversais e paralelas, cruzamentos embaralhados, e nessa bagunça toda se perdia, mas encontrava-se. Levemente alteou o canto da boca num gesto que lembrara um meio sorriso, ao passo que inclinava a cabeça e levantava o…

Seis

Há exatos seis meses atrás, estava eu na frente desta mesma tela de LCD, buscando alguma forma de dar início a este blog. Na ocasião eu falei do quanto seria difícil me manter aqui, devido a minha constante e expressiva metamorfose. Falei de que não seria a primeira vez que me arriscaria, e que não saberia se obteria êxito. E cá estou eu, seis meses depois, aparentemente no mesmo lugar de antes, falando das mesmas coisas de antes, pensando talvez as mesmas coisas de antes. Na verdade, não acho que nada seja como antes, acredito naquelas teoria que defendem a constante modificação de tudo que há na natureza, e mesmo tudo que está ao meu redor ser tão artificial, acredito que tudo mudou, quando digo tudo, quero dizer tudo. 
Nesses últimos seis meses da minha vida eu descobri, que este espaço é o meu maior aliado na tentativa de sobreviver a minha insana rotina. Descobri que a cada metamorfose, cada crise, cada drama, cada riso, esse blog me acompanhou em todos os momentos, se adaptando a…

O 1º a gente nunca esquece

Hoje tive uma grata surpresa ao receber o selo acima. Recebi-o de um chará, Felipe Marcato, dono do blog Não sou vagabundo. Como ele mesmo disse as regras são simples, 10 blogs merecedores do selo:


AmorTeceDor
{Des}Necessária Solidão
Blog do Eduardo
Criando Mundos
Infinitamente Pessoal
Daniela Filipini
Contramão Contrariada
Teoria do Playmobil
Pequenos Deleites
Thoughtless
Todos receberam merecidamente, inclusivo o que me indicou, porém por virtude de já ter recebido, achei melhor dar a chance a outros.
Obrigado.

Num passado não muito distante

Num passado não muito distante eu sorri. Sorri quando te conheci. Não foi nada muito especial já havíamos nos vistos outras vezes, mas só nesse dia eu te conheci. Juro que não imaginava que seria assim, estávamos todos ali, mas só agora nos conhecíamos. Você lembra como era bom? Como éramos felizes, e nós sabíamos disso. Tivemos brigas, desavenças, olhos tortos, mas ainda assim aproveitamos da melhor maneira. Era maravilhoso poder te ver todos os dias, acordar com a certeza de que se o sol não brilhasse, seu sorriso brilharia para mim. Se o frio chegasse, seus abraços me protegeriam. Você cuidou de mim como quem cuida de um irmão mais novo, ou até mais. Foi pai, mãe, irmão, irmã, amigo, amiga, primo, prima, a família inteira. Por vezes foi até desconhecido, mas sempre soubemos nos conhecer. Você soube aturar meus surtos, minhas crises existenciais, meus ciúmes, minha imaturidade. Soube me ensinar a como me comportar com a vida. Você me fez crescer. É não deu pra gente continuar, mas t…

Meu adeus

As coisas já não são mais as mesmas. Já cansei dizer isso. Disse, redisse, mas as pessoas cismam em não quererem acreditar. E eu, crédulo, desacredito aquilo que acredito. Não foi uma, duas ou três vezes que eu reparei e falei, e fui rebatido. Certa vez num encontro as pressas, surpresa mesmo, acabei sendo levado, que tudo aquilo que de forma lógico eu tinha concluído, havia sido mero, devaneio. Tolice, como sempre. Longe de mim querer ser o dono da verdade, seio bem que não sou, mas só não enxerga quem não quer. A realidade está cada vez mais claro. Não estou aqui intencionado a acusar os pontos de vista alheios, estou aqui expondo fatos que me fizeram chegar ao meu ponto de vista. Tão mutável quanto esse que vos fala. Eu sei bem que nada é pra sempre, só não era de meu gosto que acabasse agora. Não vou dramatizar, enaltecer sentimentos que ao menos agora não são verdadeiros. Senti muito a falta de pessoas que por motivos sem explicação, coisas da vida mesmo, acabaram tomando caminhos…

Sem limites

Já passara da meia noite quando resolveu sair para espairecer. Sua cabeça estava a mil, seu coração dilacerado, necessitava fugir dali. Não havia muitas opções, o adiantado da hora devia ser levado em conta. Era madrugada de sábado para domingo, ainda assim poucas pessoas na rua, em alguns bares pequenos grupos de pessoas conversavam, riam, berravam. Não sabia para aonde ir, caminhou à beira do mar. A areia fria, a água quente, paradoxo este que se repetia em seu interior. Encontrou um lugar mais afastado, uma pedra, próximo a um farol, sentou-se se pôs a admirar aquela paisagem à meia-luz. O cabelo ao vento, as calças dobradas até os joelhos, camisa aberta, sapatos à mão. Reparou que ainda usara as roupas do trabalho, também como pudera pensar em trocar-se. Aninhou-se na pedra, que parecia abraçar-lhe, obteve ali o colo que estava a procura, em pouco tempo adormeceu. Algumas horas se passaram. Acordou com a água a salpicar em sem rosto. Estava tão leve, tão pleno, que julgou ter dorm…

Isso é a "gente" ?!

Cada vez mais enlatados. Acorrentados a uma realidade fantasiosa, luzes de neon indicam o caminho incerto. Hoje pessoas como eu, assim tão normais, vivem, ou melhor pensam que vivem. Todos "vítimas do sistema", sistema esse que vigia e controla cada passo infalso, falso. Se ousar falar, eu vou te apagar, e isso acontece, mais comum do que muitos pensam. Ao contrário do que muitos devem estar achando, esta não é uma crítica ao sistema, a ele nada tenho contra, a crítica é ao não ser-humano. Orkut, Twitter, Blogger, fazemos parte da geração "Google", passamos mais tempo cuidando de nossas vidas virtuais, do que o mundo aqui fora, e falo isso por mim. Nesse momento não sou hipócrita, o poderia ser, mas opto por não, ofereço minha cara a tapa, para que eu mesmo poça esmurra-lá.  Eu, solteiro, nascido em 15 de dezembro, 18 anos, poliglota, interessado em amigos, contatos profissionais e companheiros para atividades. Sem filhos, de naturalidade hispânica ou latina, detento…

Viagem ao centro da Terra

Nem tanto ao céu, nem tanto a Terra. A fachada já era conhecida, bem como vagamente a entrada, como poderia esquecer aquela outra fatídica tarde. Já passara das treze horas, seu estômago dava giros de 360 graus, virava do avesso, seu metabolismo mais acelerado que nunca, apenas sintomas físicos de seu grande mal mental. Um último suspiro, despediu-se e desceu do carro, em meio seu alvoroço quase que foi atropelado, foi então que subitamente estalou em seu sub consciente, dabu, soltou aquele sorriso tímido onde mostrava um quarto dos dentes. Vendo que não havia mais como fugir, adentrou no prédio, esbanjava segurança e uma certa metidez em seu semblante. Foi quando se deparou com uma rampa bifurcada, ora será que havia alguma diferença de percurso, será que essa escolha influenciaria em algo importante. Instintivamente escolheu o lado mais movimentado, camuflando-se entre aquela gente toda, não queria ser notado, ao menos não ainda. Ao fim da descida, seu maior susto, uma ladeira imensa…

Bom dia

Estranhamente a noite havia sido de um sono profundo, talvez pela primeira vez a tal rotina havia sido quebrada, quem sabe fosse um bom sinal. Estava aproximadamente há uma semana parado, quem sabe numa tentativa de estabilizar o emocional, não saberia se de alguma forma aquela atitude iria surtir efeito, afinal ainda se encontrava receoso tanto com o que ainda estaria por vir, quanto com a reação daqueles que conviviam com ele. Desta última aflição não teve muito a fazer, simplesmente suas atitudes de desaparecimento súbito e fuga contínua entregavam suas intenções, e como não podia ser diferente, deixou assim ficar subentendido. Não se fazia necessário o uso do despertador naquele dia, mas por via das dúvidas o mesmo encontrava-se programado pontualmente para o meio-dia. Levantou-se antes mesmo de qualquer som que viesse a atrapalhar seu sono, acreditava que ainda fosse cedo, mesmo que torcesse que ao menos passasse das oito, dito e feito, os ponteiros do relógio da cozinha marcava co…

Coletânea

E é isso que me faz sentir bem, saber que eu estava errado, e este é o momento mais propício para me retratar.
Em um dos últimos posts, "Despedida", fui tomado pela infeliz ideia desse tal adeus disfarçado de até logo, mas agora eu já tenho outra opinião em relação, acredito que foi um até logo disfarçado de adeus, ou melhor mal interpretado como um adeus.
É preciso sim entender que cada pessoa mantêm prioridades e necessidades diferentes uma das outras, mas mesmo assim nem sempre a ideia é acolhida de bom grado, como não foi por mim. Era um mundo diferente do que hoje tenho em minhas mãos, e talvez isto tivesse sido o que havia restado daquela redoma, onde nada parecia acontecer, somente aquele vendaval de sentimentos indefinidos. Tudo, corrijo, 90% daquele passado foi destruída de forma brusca, tão inesperada que mal deu tempo de me acostumar com a situação, e não deu, era fatos em cima de fatos, sentimentos por cima de sentimentos, mágoas veladas, angústias que nem a mim me…

Teoria do Estado

Após a descida na ilha, os sobreviventes, apesar de todo o pânico e desconforto, sabiam que de alguma forma deveriam se unir em prol do bem comum do grupo.
A primeira tarefa a ser discutida em comum acordo, foi a indicação de nomes capazes de lidar com a organização e representação do grupo. Cinco nomes foram escolhidos, e entre os mesmos distribuídas as seguintes tarefas: o primeiro ficou encarregado de formar uma equipe capaz de a ordem entre o grupo, o segundo tomou para si o poder de exercer o julgamento dos atos ocorridos, o terceiro se encarregou de criar normas de convivência, o quarto funcionava como uma espécie de porta-voz dos interesses dos sobreviventes, e por último o encarregado de ministrar e organizar o bom funcionamento das demais tarefas.
Até o último momento, os cem sobreviventes conseguiram manter uma ordem adequada à convivência do grupo, criando de certa forma a base do que é chamado de Estado.

Texto baseado em trabalho feito por Felipe José de Alcantara A…

Além de uma mudança de hábito...

Mudanças são necessárias e inevitáveis.
Dessa forma eu encontro um ponto de partida
Tão volúvel quanto o que a pouco pensei
E não escrevi
Metamorfose
Mutação
Evolução
Mudança
Tudo muda
O que foi há um segundo, já não é mais
O que é agora, já mudou
E é assim que funciona
As pessoas mudam
Opiniões mudam
Sentimentos mudam
Então como eu haveria de não mudar
Se o mundo inteiro muda
Nada permanece intacto
Um nada
Um tudo
O sol muda
O céu muda
O tempo muda
Mudar, mudar, mudar
Tudo cede seu lugar
Já dizia na ciência
“Nada se cria, tudo se transforma”
Mudar
Melhorar
Se reinventar
Não há escolha
É um risco que se corre
O risco é não correr
Viver é um risco
Mudar é um risco
Se adequar
Se encaixar
Crescer
Fazer de si
Metamorfose, ambulante
Fazer-se ser
Fazer-se crer
Mudar, mudar, mudar
Essa é minha rotina
Fazer mudança
E se "nada do que foi será denovo do jeito que já foi um dia"
Meu destino é me mudar...

Despedida

Não pensei que um dia chegaria a tanto, minto, pensei, e como pensei, só não imaginei que meus medos dramáticos tão cedo tornariam-se realidade.
Foram horas difíceis e momentos estranhos, a vida correndo em rio raso, essa era a definição, não conseguiria nada melhor que isso. Há tempos não via mais as coisas como antes, talvez porque já não eram como antes, talvez eu não fosse como antes. Verdade, as coisas mudaram e eu também mudei. A vida confortável, inabalável, ilienarravel, tudo que outrora existia, não há mais, não há mais aquela pureza que nós respirávamos, não há mais os sorrisos que trocávamos, sequer as brigas que brigávamos. Vocês me prometeram que isso não mudaria, não puderam cumprir suas palavras, mas não os culpo, não, não há culpados, não há vítimas, tampouco vilões e mocinhos, o que há é um passado, memorável... claro, um presente, virtuoso... verdade, e um futuro, inimaginável... talvez!
Eles estão seguindo com a vida... Existem outras prioridades, outros afazeres, out…

Senhora, luz dos olhos meus

Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência...

Senhora, luz dos olhos meus, biquete pseudo-intelectual de esquerda, mais que tudo mulher, espontaneamente doce, pura, ingênua e como não poderia faltar exagerada. Há alguns anos um anjo mal apresentou a mim um serzinho tão puro e casto, que a meu ver era de uma imensa insignificância, são tão poucas as lembranças desta época. Pouco a pouco essa criatura foi crescendo, crescendo e aparecendo, de patinho feio a objeto de desejo, de nerd a mulher inteligente, de inocente, bem as coisas mudam, talvez não seja o caso, sua inocência permanece intacta, como um demente que jamais se parte. Desde que entrou em minha vida, Senhora resolveu me acompanhar em tudo, me ajudava nos estudos, esportes, brincadeiras, assuntos amorosos, sempre estava ela lá, presente, sem nada pedir em troca, e eu tolo não a tratava-lhe com a devida pomba e circunstancia, admito. Ela viveu grande parte de sua vida dedicada a quem lhe cercava, assim encontrav…

Um amor pra recordar

Sorte ou Azar?
De repente me dei conta de que ainda sou capaz de amar
Nem mesmo sei como falar
Tampouco poderia explicar
Ainda assim, sinto que posso amar
Só não sei que amor é esse
Encontro-me tão confuso
Tudo por que não sei esse amar
Perdi-me no passado
Passado perdido
Lembrado
Roubado
Um passado que não vivi
Mas que senti
E como senti...
Foi tanta dor
Tanta angustia
Mas ainda assim, valia à pena
Um amor puro
Meu primeiro amor
O primeiro de muitos
Não, vendo assim, não
Meu único amor
Antes e depois
Paixões
Tão fortes tão fracas
Sabe-se lá
Estou perdido
Perdendo
Com medo
Medo
Medo
Medo
Dá medo do medo que dá
E se eu resolver me apaixonar?
E se eu resolver encarar?
Ora tolice...
Como poderia?
Depois de tanto...
Não valeria a pena
Não valeu antes
Valeria agora?
Valeu o sentimento
Mais valeu o que ficou
Saudade do sentimento bonito
Lembranças do que não foi vivido
Mas algo que jamais será rompido
Essa amizade
Ah... Isso sim
Tão linda tão bela
Dizem-me que ainda gosto dela
Como poderia não gostar?
Impossível
Seu jeito
Seu olhar
Seu caminhar

Intenso e Dramático

E é amanha... finalmente tudo novo de novo!
Instensa, é como posso definir minha semana, bem talvez toda essa intensidade não tenha se iniciado propiamente nesta semana, mas não sou capaz de precisar datas, sempre achei minha vida de duas uma, ou muito intensa ou muito superficial, vai saber...
Nos últimos dias fui "obrigado" a passar por certas situações que eu definitivamente não estava preparado, não sei se um dia estarei, mas pelo visto tenho que ao menos aturar. O que mais me feriu foi ter que exercitar incansavelmente minha oriunda falsidade, sim oriunda, de tão real que tudo foi muitas fezes cheguei a me enganar, e a pensar "não foi tão dificil, quem sabe se...", mas não, eu sou teimoso, cabeça dura, orgulhoso, e como não poderia esquecer mimado e egoísta. Assim por muito tempo me definirão, assim por muito tempo tentei provar o contrario, mas hoje, ah, não mais assim que quer assim será. Saibam que não foi fácil retirar forças sabe-se lá de onde pra tamanha f…

Tributo ao amigo

Amigo
Ah...
Amigo é aquele que ri
Que chora
Que brinca
Que briga
Amigo
Aquele totalmente diferente de você
Aquele totalmente igual
Aquele que te irrita
Aquele que te faz bem
E que às vezes até faz mal
Afinal assim é uma verdadeira amizade
Verdadeira e Perfeita
Dizem que nada é perfeito
Mas a amizade
Por muitas é
Com todos os acertos
Perdas e ganhos
Todas as decepções
Mentiras e contradições
A amizade é assim
Meus amigos são assim
Mariana, a boneca de porcelana
Vinicius, o menino prodígio
Ludmila, espontaneamente exagerada
Renata, dramática e estressada
Maíra, racionalmente lógica
Todos tão diferentes de mim
Todos tão imperfeitos
Mas nossa amizade segue assim
Perfeita
Completa
Tão certo quanto dois e dois não são quatro
E é assim
Com eles e com tantos outros
Felipe, Ana, Bia
É assim
Minhas amizades são assim...
Dignas de tudo que há de melhor
E esse é meu tributo a essas pessoas que tanto amo
E que também me amam
Juntos somos donos do sentimento mais puro e verdadeiro
Juntos somos vários mundos em um
Juntos somos todo
Juntos somo…

É tudo novo de novo...

"Vamos começar
Colocando um ponto final
Pelo menos já é um sinal
De que tudo na vida tem fim"

(trecho da música Tudo Novo de Novo de Paulinho Moska) Novidade, segundo o dicionário qualidade do que é novo, coisa nova, artigos de novidade, com as características da última moda. Cheio de novidades, cheio de luxos, isto é, de exigências ou manias.
E pra quem me conhece sabe que eu sou exatamente assim, tenho sede pelo que é novo, e portanto tento estar sempre em constante renovação, é eu ou assim... cheio de luxos!
Como diria o poeta "eu prefiro ser essa metamorfose ambulante", e concerteza uma coisa que venho percebendo é que não tenho "aquela velha opinião formada sobre tudo". Minha instabilidade e volatilidade não permitem, sou assim, nesse instante, no próximo já não sei.
Esse blog vem sendo um dos meu universo preferido, um lugar só meu, que equivocadamente foi sendo deixado para trá, principalmente pela falta de novidade, mesmo que outrem aprovasse o que e…