Pular para o conteúdo principal

Destaques dos últimos tempos

1 semana... E como em poucas vezes tenho muito a declarar, algumas coisas a esclarecer, em geral desabafar e compartilhar. Como já pôde ser visto em alguns momentos anteriormente, não era de hoje que eu estava insatisfeito com o rumo que minha vida havia tomado, desde cedo fui preparado para essas mudanças que mais cedo ou mais tarde chegariam, talvez cedo demais, e como se não bastasse, mudanças demais, todas da mesma vez. Construí um sonho, desenhei todo um plano de vôo para minha vida, porém seguido à decolagem a primeira turbulência, e mal me recuperava, outra, e outra, e mais outra, fui forte enquanto deu, agüentei enquanto pude, não sei se poderia suportar mais, sinceramente não sei, não paguei pra ver, tudo que eu vi, ouvi, vivi e principalmente senti, foi o bastante. Talvez se eu estivesse pensado mais não teria tido a coragem necessária para fazer o que fiz, certamente não teria, comigo tudo deve ser assim, sou receosamente impulsivo, se usar a cabeça por muito tempo, se der ouvidos por muito tempo, tudo muda, mas dessa vez eu resolvi fazer diferente. Segunda, 18 de maio de 2009 – O dia levantava como outro qualquer, talvez um pouco mais colorido, apesar de todo cinza do céu. Tive um bom fim de semana, o que refletia no bom humor matinal desta manhã, tudo caminhava bem, como eu bem esperava aquele estado de espírito positivo não duraria muito, afinal quando eu passava uma simples manhã naquela convivência, era impossível manter qualquer nível aceitável de bem-estar. O que nem mesmo eu imaginava foi minha reação, naquele momento de desespero, voltei-me para dentro, tão introspectivo quanto jamais havia me visto, sentia como se fosse uma esquizofrenia enrustida. A partir daquele momento decidi demolir todos os resquícios de um sonho que outrora imperava, decidi abdicar de ilusões que não mais me serviam, decidi purificar-me, renovar-me, decidi que ali os fins não mais justificavam os meios. Mas para poder iniciar todo esse processo metamórfico diante da atroz sociedade, era preciso um novo plano, algo que eu pudesse propor e com sucesso fosse aprovado, foi então que freneticamente minhas sinapses se estimulavam, meus neurônios a mil, o coração carregado de adrenalina, beirando uma síncope, foi quando veio o estalo, a ficha caiu, a luz acendeu, qual seria a forma mais fácil de mudar a história sem ter que passar por cima de mim mais uma vez? Dessa vez vou fazer direito, não vou aceitar me submeter a essa tortura novamente, e afinal tudo se adequaria perfeitamente aos meus requisitos. O dia seguiu no mesmo ritmo frenético, mesmo angustiante, tinha muito a fazer, não fiz nada, ou basicamente nada, apenas o indispensável no momento, pensei tanto, que cheguei ao ponto de desistir daquela singular idéia, e desisti. Terça, 19 de maio de 2009 – O raiar do sol não trazia o mesmo brilho do amanhecer anterior, era demasiadamente cinza, destacando-se todas as nuances em degrade preto-e-branco, não consegui levantar! Por meu espírito e por meu corpo, nenhum respondia aos meus falsos estímulos, haviam tomado a decisão que naquela hora eu tentava ignorar, em vão. Passei a planejar minuciosamente a minha apresentação, cada detalhe, cada possibilidade de perguntas e respostas, cada expressão, cada drama, que se tornavam mais reais a todo momento. Decidi voltar a cama, nesse momento perambulava pelo quarto, tentei retornar ao sono profundo que me foi roubado, nada. A maçaneta rodou, por dentro e por fora, simultaneamente, meu coração parou, meu estômago revirou, minha cabeça rodou, era chegada a hora. Não foi fácil, talvez mais difícil que eu poderia imagina, sempre subestimo a dificuldade das coisas, mas eu consegui me manter firme, expus a situação, argumentei a meu favor, e apresentei o novo plano de vôo, não tive um parecer imediato, apenas um olhar de decepção, quase cai, mas rebati com o mesmo olhar, funcionou, fui chamado de volta para a decisão final, sucesso, ali se encerrava os árduos meses de angustia e aflição. O elemento surpresa não pertencia só a mim, fui bombardeado com duas exigências (negociáveis), não pude esconder o espanto e a felicidade, seria um recomeço, eu finalmente iria para onde, naquele momento, desejava. O resto do dia foi para eventuais burocracias, não todas, mas as necessárias para recomeçar. Quando a certeza já era mais que certa, enfim pude comemorar, e partilhar os últimos momentos do dia com a amiga ansiedade, devo agradecer todos os momentos, por ter passado toda a noite comigo, sem me deixar dormir, por afastar o sono de mim? Talvez, mas foi necessário, se ela não me acompanhasse ai sim algo estaria errado. Quarta, 20 de maio de 2009 – Acordei antes do sol, para poder me preparar para recebê-lo, com toda sua luz e todas as cores que ele traria de volta pra mim, dito e feito, ele me presenteou com todo o arco-íris, não me recordo se chovia ou se fazia sol, se o céu estava azul ou cinza, mas em mim era tudo cores, flores, amores e blá, blá, blá. Sem mais delongas me apresentei a minha mais nova aquisição, amei, mais que poderia imaginar, amei! Estar novamente bem, pleno, feliz, era o que mais queria, e estive, seria impossível não estar, eles estavam lá, mais pertos do que nunca, de braços abertos, e sem as críticas que ainda iria receber, mais e mais. Estava em casa, mais uma vez em casa. Sim sou louco, foi a maior loucura da minha vida, mas não me arrependo de ter tido a coragem de retomar as rédeas e correr atrás da felicidade.Nesse momento para o futuro não tenho sonhos ou ilusões, ainda estou construindo, aos poucos sem pressa, e com o alicerce na realidade.
Nesse momento para o futuro não tenho sonhos ou ilusões, ainda construo meu futuro, dessa vez baseado mais na realidade que na utopia.

Comentários

  1. Recomeçar. É o melhor escape quando nos encurralam. Vou te imitar nisso... ;)

    ResponderExcluir
  2. é verdade.um novo começo é tudo e bom.
    Bom Novo pra vc!
    ;*
    amooo

    ResponderExcluir
  3. É tudo novo de novo! Muito bom recomeçar, né?
    Seja muito feliz e se precisar já sabe!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  4. Hei menino corajoso!
    Muita força neste novo rumo. Vc é um exemplo para as mudanças q eu mesma quero operar em mim.
    Fuerça siempre!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Há tudo a perder. Sincericide-se

Postagens mais visitadas deste blog

Alumínio

Sou desses que ousa dizer todas as coisas indizíveis das quais já ouvi calar. Enquadro em palavras e esquadrias fragmentos de absurdo abafados, suspirando os abusos. Nadando contra-corrente, incoerente, metendo os pés pelas mãos. Um. Dois. Três. Olhe bem para trás, e sem pensar em nada, pense no que realmente importa. Jogado no campo, fitando seus olhos, pergunto baixinho o que se ouve quando todos os ruídos calam? Quantas teses e antíteses nos trouxeram até aqui? Quantos poréns, mas, entre tantos sins e nãos, entre tantos lençóis. Desfilo em silêncio por entre a sala de jantar, desenho um cigarro no ar, chá entre as pernas, mas algo me escapa. Quão além da superfície se pode ir sem respirar? E quando tudo não passa de um segundo, quanto tempo sobra de tudo? Todas as minhas filosofias baratas, ignoradas pelos homens de bem, agora habitam nossos silêncios, justo quando o mundo pede um pouco mais de alma. Será que o tempo parou ou a gente que não viu? Nessas noites, desses muitos quere…

Gatilho

Aí está a história de um homem. Era uma história muito engraçada, não tinha enredo, não tinha nada. Um homem que a única certeza que tinha era as incertezas que o movia, perguntas sem resposta, inseguranças sem razão. E seu maior medo, a falta de certeza, não ter razão. Queria voar sem tirar os pés do chão. Ver além, através. Colher certezas, ouvi-las. Por isso ele andava. Caminhava pelos dias, passeava pelas horas, via o que não se vê, de olhos bem abertos, dizia o que não devia ser dito, sentia o indizível, se acreditava impossível. Tanto quanto impulsivo, expansível, imprevisível. Dava a cara a tapa. A cara, a face, a outra, o corpo, a alma e o coração. De tanto apanhar perdeu o medo. Doer, doía, mas fazia parte. Se atirava em cataratas, enquanto buscava o tédio das águas mansas. Falava de si com a destreza de um bom conhecedor. Falava. Falava quando só precisava ouvir. Buscava. Devoto de Nosso Senhor Jesus Crítico, se dizia too cool, e se morria e se matava a cada novo soluço. Nã…

Mônica

Hoje foi não foi um dia fácil, corri meio sem rumo, desacreditado, honrando compromissos que não pareciam se encaixar, seguindo o fluxo, deixando me levar. Fiz mais do que pude, falei mais do que sei, o tal peso da vida adulta. Já passa das 11, poderia escrever que estou sentado num sofá de couro, as luzes da cidade sobre mim, uma taça de vinho repousando sobre minhas pernas, uma fotografia perfeita para textos perfeitos. Mas minhas polaroides são borradas. Estou rencostado meio de lado, as costas doem, virei chácaras de café, relutante em dormir por essa noite, e te encontrar outra vez. Não vou mentir das vezes que pensei em você, das muitas vezes que meu coração saltou garganta afora ou ver seu nome cintilando no vidro fosco, e todo o circo que armei tentando agradar. Eu não sei onde quero chegar. Existe uma vida antes e outras dez depois de nós, ainda assim você não sai do meu sentimento. Ah, piegas, coisa de escritor romântico, que busca palavras bonitas para o ser amado. Coisa n…