Pular para o conteúdo principal

Eureca








Andava tão sozinho que por vezes esquecera-se de fazer-se companhia. Parece absurdo, mas a solidão era para si como um acessório qualquer, como um relógio que trazia no pulso, ou os óculos da face. Era algo tão seu, tão próprio, que não se incomodava de assim estar.
Certa vez, num dia de claro, agradável, em uma de suas caminhadas pelo parque pôs-se a admirar, não sabia bem o que olhava, era tudo tão normal. Havia beleza, claro, mas nada espetacular, nada que fosse digno de mais que cinco minutos de atenção, ainda assim se demorou. Eram longos minutos, podia sentir, mas não cabia naquele momento preocupação com o tempo, nada mais importava se não seus devaneios.
Seus pensamentos iam longe, milhas e milhas distantes, não tinha um foco, era uma estrada tortuosa, cheia de transversais e paralelas, cruzamentos embaralhados, e nessa bagunça toda se perdia, mas encontrava-se. Levemente alteou o canto da boca num gesto que lembrara um meio sorriso, ao passo que inclinava a cabeça e levantava o olhar, certamente tinha encontrado algum pensamento digno de um sorriso. Talvez não isso, era de costume, tinha lá essas manias excêntricas, sorria quando não sabia como se portar, ou por enxergar seus atos ridículos.
Reprimiu seu ar espontâneo, e se deu conta de que estava mais feliz, mais leve, sentia-se bem. Não tinha mudado em absolutamente nada, só se deu conta que a tempos não mais tinha se dado a crises existenciais, e foi tudo tão gradativo que só agora se deu conta. Percebeu também que tinha dado um tempo em sua carência desenfreada, seus estúpidos ciúmes. Sorriu um sorriso inteiro, daqueles em que dá tempo de contar todas as cáries dos dentes. Percebeu-se feliz mais uma vez, e não se reprimiu. Pessoas passavam, olhavam, apontavam, e ele ali, inerte, como que nada acontecesse. Ele bem sabia que estava virando ponto turístico do parque, mas não se incomodou. Mais uma vez se espantou ao não se importar com o que pensavam ou falavam de sua pessoa. Foi então que explodiu de felicidade, mesmo já estando ciente de tantas coisas, não se sentia diferente, apenas mais leve.

{...}




E só agora se lembrou da “solidão”, ora que expressão mais inapropriada. Estava sozinho, mas não se sentia só, fazia-se companhia. E quando se indagou sobre o amor, na ponta da língua: o amor próprio. E naquele ping pong esquizofrênico, não se sabia onde iria chegar. Respostas, perguntas, possuía os dois.


_ Ei! Oie... Tá surdo?!

_ Ah, oi, desculpa, tava em outro mundo...

_ É deu pra ver. Então vamos?

_ Vamos

Sua companhia daquela tarde tinha chegado, não estava mais sozinho. Com ela, de fato não estaria, nem que quisesse. Sua luz preenchia todos os espaços trevosos que restavam, até o sol retraia-se com sua beleza. De fato, quem não se encantaria?! E como se um de seus desenfreados neurônios gritasse: “Eureca”, e como se lâmpadas fluorescentes acendessem em sua cabeça, parou. Inclinou-se a ela, e com feição de dúvida e espanto, chocou-se. Em um instante apenas se deu conta que se apaixonou por um sorriso. E ali o mar, a areia, o céu e as estrelas eram testemunhas de que a vida é um ciclo.





Comentários

  1. Texto lindo! De verdade,cara... achei lindo, puro sentimento, descrição e narrativas impecáveis!

    Escrevo sobre solidão, relacionamentos e afins... se quiser, dá uma passadinha lá
    http://planetabandonado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Se apaixonou por um sorriso... :x eu acho que já vi isso em algum lugar!

    ResponderExcluir
  3. O que será a solidão? E o que será sentir-se bem consigo mesmo?
    Textos cada vez melhores...

    ResponderExcluir
  4. Simplesmente lindoo! Lembra-me uma época boa de minha vida. Qdo eu voltar à Terra qro voltar a escrever assim...
    Ja te disse antes, vc tem O dom!

    ResponderExcluir
  5. Encantador. Muito bonito!
    "se apaixonou por um sorriso"
    Pois é, repleto de sentimento mesmo.
    Valeu a pena esperar pelo seu proximo post rs

    ResponderExcluir
  6. Que lindo *-*
    Foi tão bonito esse paragrafo final! Adorei *-*

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante a forma como se expressa, tudo é de uma linda simplicidade e sensatez! te sigo!

    ResponderExcluir
  8. um belo poema em linha reta, diria.

    obrigado por visitar meu blog. estarei acompanhando o seu tb

    abraços

    ResponderExcluir
  9. Que texto sentimental, belo, singelo.. .realmente ninguém escapa dos ciclos, nao mesmo...

    bjitos, moço

    http://www.peqeunosdeleites.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Aaahh...
    Eu fiz um comentário tããão lindo!
    Mas se perdeu por aqui
    =/
    Fiquei triste agora...
    Mas era basicamente dizendo que essa história de solidão,autoconhecimento,companhia,paixão e sorrisos eu já conheço bem.
    Pq essa é a nossa história
    E é maravilhoso ver tudo sendo retratado dessa forma por vc...
    Que ver a nossa ligação, a nossa inexplicável,inentendível,'indizível',indecifrável,inigualável,interminável,intrigante,intensa e indescritível relação sendo traduzida em palavras (vã tentativa,é verdade,justamente por suas indefinições - da relação e do autor,diga-se de passagem,ou dos autores,melhor dizendo,pois nada que se escreve tem autoria única) é algo tão impossível de definir quanto ela própria!
    Eu amo você!
    E nem vou dizer que sei porquê você escreveu o Eureca :P

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Há tudo a perder. Sincericide-se

Postagens mais visitadas deste blog

Alumínio

Sou desses que ousa dizer todas as coisas indizíveis das quais já ouvi calar. Enquadro em palavras e esquadrias fragmentos de absurdo abafados, suspirando os abusos. Nadando contra-corrente, incoerente, metendo os pés pelas mãos. Um. Dois. Três. Olhe bem para trás, e sem pensar em nada, pense no que realmente importa. Jogado no campo, fitando seus olhos, pergunto baixinho o que se ouve quando todos os ruídos calam? Quantas teses e antíteses nos trouxeram até aqui? Quantos poréns, mas, entre tantos sins e nãos, entre tantos lençóis. Desfilo em silêncio por entre a sala de jantar, desenho um cigarro no ar, chá entre as pernas, mas algo me escapa. Quão além da superfície se pode ir sem respirar? E quando tudo não passa de um segundo, quanto tempo sobra de tudo? Todas as minhas filosofias baratas, ignoradas pelos homens de bem, agora habitam nossos silêncios, justo quando o mundo pede um pouco mais de alma. Será que o tempo parou ou a gente que não viu? Nessas noites, desses muitos quere…

Gatilho

Aí está a história de um homem. Era uma história muito engraçada, não tinha enredo, não tinha nada. Um homem que a única certeza que tinha era as incertezas que o movia, perguntas sem resposta, inseguranças sem razão. E seu maior medo, a falta de certeza, não ter razão. Queria voar sem tirar os pés do chão. Ver além, através. Colher certezas, ouvi-las. Por isso ele andava. Caminhava pelos dias, passeava pelas horas, via o que não se vê, de olhos bem abertos, dizia o que não devia ser dito, sentia o indizível, se acreditava impossível. Tanto quanto impulsivo, expansível, imprevisível. Dava a cara a tapa. A cara, a face, a outra, o corpo, a alma e o coração. De tanto apanhar perdeu o medo. Doer, doía, mas fazia parte. Se atirava em cataratas, enquanto buscava o tédio das águas mansas. Falava de si com a destreza de um bom conhecedor. Falava. Falava quando só precisava ouvir. Buscava. Devoto de Nosso Senhor Jesus Crítico, se dizia too cool, e se morria e se matava a cada novo soluço. Nã…

Mônica

Hoje foi não foi um dia fácil, corri meio sem rumo, desacreditado, honrando compromissos que não pareciam se encaixar, seguindo o fluxo, deixando me levar. Fiz mais do que pude, falei mais do que sei, o tal peso da vida adulta. Já passa das 11, poderia escrever que estou sentado num sofá de couro, as luzes da cidade sobre mim, uma taça de vinho repousando sobre minhas pernas, uma fotografia perfeita para textos perfeitos. Mas minhas polaroides são borradas. Estou rencostado meio de lado, as costas doem, virei chácaras de café, relutante em dormir por essa noite, e te encontrar outra vez. Não vou mentir das vezes que pensei em você, das muitas vezes que meu coração saltou garganta afora ou ver seu nome cintilando no vidro fosco, e todo o circo que armei tentando agradar. Eu não sei onde quero chegar. Existe uma vida antes e outras dez depois de nós, ainda assim você não sai do meu sentimento. Ah, piegas, coisa de escritor romântico, que busca palavras bonitas para o ser amado. Coisa n…