Pular para o conteúdo principal

Seis

Há exatos seis meses atrás, estava eu na frente desta mesma tela de LCD, buscando alguma forma de dar início a este blog. Na ocasião eu falei do quanto seria difícil me manter aqui, devido a minha constante e expressiva metamorfose. Falei de que não seria a primeira vez que me arriscaria, e que não saberia se obteria êxito. E cá estou eu, seis meses depois, aparentemente no mesmo lugar de antes, falando das mesmas coisas de antes, pensando talvez as mesmas coisas de antes. Na verdade, não acho que nada seja como antes, acredito naquelas teoria que defendem a constante modificação de tudo que há na natureza, e mesmo tudo que está ao meu redor ser tão artificial, acredito que tudo mudou, quando digo tudo, quero dizer tudo. 
Nesses últimos seis meses da minha vida eu descobri, que este espaço é o meu maior aliado na tentativa de sobreviver a minha insana rotina. Descobri que a cada metamorfose, cada crise, cada drama, cada riso, esse blog me acompanhou em todos os momentos, se adaptando a mim, e poupo a pouco conquistando algum público. Se eu for analisar friamente é estranho o fato de me expor tanto, abrir minha vida, normalmente para estranhos, se bem que meu maior medo é abri-la para conhecidos, mas não me importo, não tenho nada a esconder, sou o que sou, sou transparente, não devo nada a ninguém, e sou feliz assim. Hoje não sei mais viver sem escrever, virou hábito, rotina, mais que isso necessidade, quase que fisiológica.
Muita coisa em mim também mudou, eu cresci, definitivamente eu cresci. Em 18 de fevereiro eu era um menino de 17 anos, que recém tinha perdido o pai, recém descoberto que tinha uma irmã, recém entrado na universidade, recém saído do colégio, eu era praticamente um recém-nascido. Não sabia viver essa vida que me deram, sei lá, ou que eu mesmo tenha criado pra mim. Quebrei muito a cara, aprendi a ser mais forte, a aguentar pancadas, a ser falso, a ser sincero, ser menos mimado, menos egoísta, me importar menos com a opinião dos outros. Foram grandes as melhoras, se houveram pioras, as desconheço. Continuo sendo egoísta, pavio curto, ciumento, e tantas outras coisas. 
Nesses seis meses eu sai da universidade, entrei no cursinho, sai do cursinho, entrei em outra universidade, mudei de curso, perdi amigos, ganhei amigos, mudei conceitos, opiniões, virtudes. Estabeleci minhas próprias prioridades. A algum tempo atrás eu tinha um amigo que brigávamos bastante, brigas realmente sérias, mas hoje vejo que era uma das pessoas que mais se parecia comigo, e que mais coisas tinha a me ensinar, ele sempre me dizia que eu tinha que seguir meu próprio caminho, eu não dava muita bola, seguia na sombra daqueles que "estavam do meu lado", deu pra perceber que não fui muito longe, na primeira situação as coisas mudaram. E hoje eu posso perceber que o Bula, tinha completa razão, eu deveria ter seguido meu caminho desde sempre, acho que hoje ele ficaria orgulhoso de mim, aprendi a me gostar, e fazer tudo por mim. Ele é uma das pessoas que eu posso dizer mudou minha vida, e só agora eu vejo sua importância.
Hoje 18 de setembro, não sou mais um menino, sou um homem, ainda com 17 anos, por hora, mas sou homem. Ajo como tal, a vida me cobrou isso, e essa vida que eu adequei a mim, eu sei viver, e vivo muito bem. Devo claro grande parte dessa leveza de espírito, a esse cano de escape que tem sido o meu blog. Quero também agradecer a todos que me acompanham, e de alguma forma gostam do que escrevo, sempre é de coração. Asssim como meu carinho por todos vocês, os conhecidos ou não, os antigos companheiros, e os novos. Esse blog é pra mim e pra vocês.


Abraços, Felipe (vulgo Lipo).

Comentários

  1. Primeira vez que venho, eu acho. Vou seguir. Achei interessante vc perceber essas mudanças. É com o tempo mesmo, na hora as vezes nos escapa. Tem uma expressão interessante pra isso: desterritorializar, para enfim, criar novos terrirórios e formas de habitar.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. mais ou menos nao daria certo?

    ResponderExcluir
  3. Tbm tenho esse problema. Nao sabia como começar um blog principalmente um post bacana. Tanto é q consegui, pelo menos eu acho. Se passou um ano e a msm coisa se repete. As vezes pergunto o q eu ganhei com o blog, e acho q foram apenas leitores estranhos. E concordo com vc, prefio contar meus segredos a estranhos, nao sei pq. Beijos e sucesso

    ResponderExcluir
  4. É muito interessante como os blogs se tornam importantes em nossa vida *-*

    ResponderExcluir
  5. Como vc disse pra mim blog é uma valvula de escape tambem. O legal é que tem sempre alguem que se identifica com o que escrevemos.
    Adoro passar por aqui. Até mais.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pra vc...
    nesta data querida...
    muitas felicidades...
    muitos anos de vida...


    Bom! Ás vezes nós mudamos e não percebemos...

    ResponderExcluir
  7. Eu entendo! Sei perfeitamente o que é usar este espaço para desabafar... tão certo qto 2+2=4 [ou será 5?]nós mudamos, evoluimos.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Eu entendo! Sei perfeitamente o que é usar este espaço para desabafar... tão certo qto 2+2=4 [ou será 5?]nós mudamos, evoluimos.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Isso ae cara, a gente muda, evolui, cresce e amadurece. Eu to nessa com meu blog tb, ia começar com algo de humor, mas decidi dar um toque pessoal, creio eu q somos parecidos nesse ponto, uma certa necessidade de desabafar, contar oq sentimos,vimos e somos no blog, e nao apenas mostrar algo que nao eh seu. E ele acompanha toda essa nossa mudança, mudando com a gente (muda ate o template hahaha assim escuro eh melhor pra ler, gostei).

    abraços

    ResponderExcluir
  10. E é tão bom quando vemos que conseguimos continuar :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Há tudo a perder. Sincericide-se

Postagens mais visitadas deste blog

Alumínio

Sou desses que ousa dizer todas as coisas indizíveis das quais já ouvi calar. Enquadro em palavras e esquadrias fragmentos de absurdo abafados, suspirando os abusos. Nadando contra-corrente, incoerente, metendo os pés pelas mãos. Um. Dois. Três. Olhe bem para trás, e sem pensar em nada, pense no que realmente importa. Jogado no campo, fitando seus olhos, pergunto baixinho o que se ouve quando todos os ruídos calam? Quantas teses e antíteses nos trouxeram até aqui? Quantos poréns, mas, entre tantos sins e nãos, entre tantos lençóis. Desfilo em silêncio por entre a sala de jantar, desenho um cigarro no ar, chá entre as pernas, mas algo me escapa. Quão além da superfície se pode ir sem respirar? E quando tudo não passa de um segundo, quanto tempo sobra de tudo? Todas as minhas filosofias baratas, ignoradas pelos homens de bem, agora habitam nossos silêncios, justo quando o mundo pede um pouco mais de alma. Será que o tempo parou ou a gente que não viu? Nessas noites, desses muitos quere…

Gatilho

Aí está a história de um homem. Era uma história muito engraçada, não tinha enredo, não tinha nada. Um homem que a única certeza que tinha era as incertezas que o movia, perguntas sem resposta, inseguranças sem razão. E seu maior medo, a falta de certeza, não ter razão. Queria voar sem tirar os pés do chão. Ver além, através. Colher certezas, ouvi-las. Por isso ele andava. Caminhava pelos dias, passeava pelas horas, via o que não se vê, de olhos bem abertos, dizia o que não devia ser dito, sentia o indizível, se acreditava impossível. Tanto quanto impulsivo, expansível, imprevisível. Dava a cara a tapa. A cara, a face, a outra, o corpo, a alma e o coração. De tanto apanhar perdeu o medo. Doer, doía, mas fazia parte. Se atirava em cataratas, enquanto buscava o tédio das águas mansas. Falava de si com a destreza de um bom conhecedor. Falava. Falava quando só precisava ouvir. Buscava. Devoto de Nosso Senhor Jesus Crítico, se dizia too cool, e se morria e se matava a cada novo soluço. Nã…

Mônica

Hoje foi não foi um dia fácil, corri meio sem rumo, desacreditado, honrando compromissos que não pareciam se encaixar, seguindo o fluxo, deixando me levar. Fiz mais do que pude, falei mais do que sei, o tal peso da vida adulta. Já passa das 11, poderia escrever que estou sentado num sofá de couro, as luzes da cidade sobre mim, uma taça de vinho repousando sobre minhas pernas, uma fotografia perfeita para textos perfeitos. Mas minhas polaroides são borradas. Estou rencostado meio de lado, as costas doem, virei chácaras de café, relutante em dormir por essa noite, e te encontrar outra vez. Não vou mentir das vezes que pensei em você, das muitas vezes que meu coração saltou garganta afora ou ver seu nome cintilando no vidro fosco, e todo o circo que armei tentando agradar. Eu não sei onde quero chegar. Existe uma vida antes e outras dez depois de nós, ainda assim você não sai do meu sentimento. Ah, piegas, coisa de escritor romântico, que busca palavras bonitas para o ser amado. Coisa n…