Pular para o conteúdo principal

Confissões drásticas de um neoromântico ferido


A você,

Confesso que pensei em largar tudo. Sair por aí afora, sem rumo, em qualquer direção. Gritar, correr, respirar algum oxigênio diferente.
Confesso que eu tremi da ultima vez que falei com você. Que ainda morro de ciumes daquele cara que você anda saindo. E que eu ainda te amo.
Confesso que eu não sou o que você pensa, nem mesmo o que eu penso. Sou uma andorinha andando pelo mundo, tentando encontrar perguntas para suas respostas.
Confesso que estou bem, bem melhor do que estaria se estivesse em sua companhia.
Confesso que estou apaixonado, que tenho novos amigos, que não sou mais o mesmo.
Confesso que estou esgotado. Me falta o ar, me falta o chão, me faltam palavras.
Confesso que pensei em me matar ao fim destas curtas linhas. Mas você sabe, não seria o plano perfeito.
Confesso que aquele amigo não está mais aqui, você não está mais aqui.
Confesso que eu só queria continuar sendo aquele mesmo menino imaturo e mimado de sempre.
Confesso que este menino ainda está aqui.
E acima de tudo, confesso que menti, a cada palavra, a cada verso, a cada sentimento rabiscado neste pedaço de papel higiênico.
Confesso que ainda tenho tanto a confessar...

Abraços,
Poeta do Eu Indefinido

Comentários

  1. muito bom rapaz! final ótimo!
    de suspiros que escrevemos em qualquer papel

    ResponderExcluir
  2. Oi! Gostei mto do seu texto, é diferente do que eu costumo ler nos outros blogs.

    Parabéns pelo blog, tá mto legal.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns meu jovem, vc leva jeito pra poeta mesmo. E olha q o dia da poesia está vindo aí né? um abraço e sucesso no blog :)

    ResponderExcluir
  4. Sua obra prima, sem dúvida, ou sombra delas... :DD

    Que orgulho! *-*

    ResponderExcluir
  5. Bacana!
    curto textos assim. Apesar de ser grito, não é estridente e sim bem-feito.
    Abraço!
    http://hiper-link.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Cara,senti seu coração e sua alma em cada palavra escrita no texto.
    =D

    ResponderExcluir
  7. Confesso...
    Sua confissão é rotina de muitos que desejam parar pra pensar...
    Muito bem amarrado seu texto!

    Abraço!
    Limão Analógico

    ResponderExcluir
  8. Nossa, o texto é realmente MUITO bom. Parabéns, você escreve incrivelmente bem. Ah, e a propósito, me identifiquei com seu texto. :) E sobre os porcos da propaganda, eu ri muito! AHOZHAZH tem tomado seu red bull pra não pegar dengue suína? beijos.

    ResponderExcluir
  9. Adorei seu post e me faltam palavras. Simplesmente lindo :D

    ResponderExcluir
  10. Dá licença?
    Depois de tanta cobrança aqui estou.
    Cada vez melhor.
    Adorei a cara do blog.
    Tá cult.
    bjus

    ResponderExcluir
  11. Nossa cheguei arrepiar
    mto lindo texto
    bjao

    ResponderExcluir
  12. Gostaria de poder dizer que agente não senti isso... Que a gente não precisava sentir... Que agente deveria se apaixonar por quem gosta da gente... Mas, infelizmente isso não ocorre!
    Só não faça o memso que eu que, com medo de errar mais uma vez, se fechou para o mundo!
    Texto muito bem escrito! Você deveria entregá-lo pra musa inspiradora!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  13. quem me dera também conseguir por tanto sentimento no papel... seu poema está vivo, tem alma! muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  14. Camarada, é possível ouvir teu coração no texto...

    Uacht!

    http://dadonanet.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Muito bom o texto, escreve bem!
    Parabéns.
    Já estou seguindo. Me segue lá.
    http://tallysween.blogspot.com/
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Há tudo a perder. Sincericide-se

Postagens mais visitadas deste blog

Alumínio

Sou desses que ousa dizer todas as coisas indizíveis das quais já ouvi calar. Enquadro em palavras e esquadrias fragmentos de absurdo abafados, suspirando os abusos. Nadando contra-corrente, incoerente, metendo os pés pelas mãos. Um. Dois. Três. Olhe bem para trás, e sem pensar em nada, pense no que realmente importa. Jogado no campo, fitando seus olhos, pergunto baixinho o que se ouve quando todos os ruídos calam? Quantas teses e antíteses nos trouxeram até aqui? Quantos poréns, mas, entre tantos sins e nãos, entre tantos lençóis. Desfilo em silêncio por entre a sala de jantar, desenho um cigarro no ar, chá entre as pernas, mas algo me escapa. Quão além da superfície se pode ir sem respirar? E quando tudo não passa de um segundo, quanto tempo sobra de tudo? Todas as minhas filosofias baratas, ignoradas pelos homens de bem, agora habitam nossos silêncios, justo quando o mundo pede um pouco mais de alma. Será que o tempo parou ou a gente que não viu? Nessas noites, desses muitos quere…

Gatilho

Aí está a história de um homem. Era uma história muito engraçada, não tinha enredo, não tinha nada. Um homem que a única certeza que tinha era as incertezas que o movia, perguntas sem resposta, inseguranças sem razão. E seu maior medo, a falta de certeza, não ter razão. Queria voar sem tirar os pés do chão. Ver além, através. Colher certezas, ouvi-las. Por isso ele andava. Caminhava pelos dias, passeava pelas horas, via o que não se vê, de olhos bem abertos, dizia o que não devia ser dito, sentia o indizível, se acreditava impossível. Tanto quanto impulsivo, expansível, imprevisível. Dava a cara a tapa. A cara, a face, a outra, o corpo, a alma e o coração. De tanto apanhar perdeu o medo. Doer, doía, mas fazia parte. Se atirava em cataratas, enquanto buscava o tédio das águas mansas. Falava de si com a destreza de um bom conhecedor. Falava. Falava quando só precisava ouvir. Buscava. Devoto de Nosso Senhor Jesus Crítico, se dizia too cool, e se morria e se matava a cada novo soluço. Nã…

Mônica

Hoje foi não foi um dia fácil, corri meio sem rumo, desacreditado, honrando compromissos que não pareciam se encaixar, seguindo o fluxo, deixando me levar. Fiz mais do que pude, falei mais do que sei, o tal peso da vida adulta. Já passa das 11, poderia escrever que estou sentado num sofá de couro, as luzes da cidade sobre mim, uma taça de vinho repousando sobre minhas pernas, uma fotografia perfeita para textos perfeitos. Mas minhas polaroides são borradas. Estou rencostado meio de lado, as costas doem, virei chácaras de café, relutante em dormir por essa noite, e te encontrar outra vez. Não vou mentir das vezes que pensei em você, das muitas vezes que meu coração saltou garganta afora ou ver seu nome cintilando no vidro fosco, e todo o circo que armei tentando agradar. Eu não sei onde quero chegar. Existe uma vida antes e outras dez depois de nós, ainda assim você não sai do meu sentimento. Ah, piegas, coisa de escritor romântico, que busca palavras bonitas para o ser amado. Coisa n…