Pular para o conteúdo principal

Epílogo

Uma história de amor nunca é simples, e quase nunca acaba, mas tem seus pontos finais...
Ele já não sabia mais o que fazer para satisfazer os desejos dela, e por isso abria mão dos seus. Agia com tal sutileza que seus esforços eram imperceptíveis aos olhos sãos, até mesmo aos dela. Na contramão, contrariada, ela, sempre certa de si, incisiva, seus planos ao alcance das mãos, dispostos a seu bel prazer, prazer um tanto questionável, ao menos aos olhos dele.
Ela, nublada com suas verdades e mentiras, direta, racional, um tsunami. Ele, sempre abstrato, sentimental, às avessas, leve como uma brisa. Extremos tão opostos, como água e óleo, não se misturam,e por mais que tentem, não são uma unidade, não ocupam o mesmo lugar no espaço, assim como quaisquer outros corpos não poderiam. Teimosos, e um tanto estúpidos, insistiam.
Sucessivos encontros e desencontros, erros e acertos, numa desproporcionalidade paquidérmica, sem sentido, e isso era o que mais alargava o abismo de seus corpos, os sentidos, ou melhor, a ausência dos sentidos. Sentidos distintos para ambos, como estradas paralelas, sem cruzamentos, sem interesse, sem vontade, sem desejo. Durante algum tempo apenas um olhar foi suficiente, o bastante, apenas um toque sob a paisagem: natureza, morta!
Ainda assim é amor, porque eu sei que é amor, sei que cada palavra importa. Mas pra ser amor tinha que haver bem mais compreensão, tinha de ser maior do que a razão. Amor não tem de ser sinônimo, amor é ímpar. Não, o amor que se recebe não é, nem nunca será igual ao que se dá. Não é como uma das equações matemáticas perfeitas dele, a vida não é como ela quer, e saber lidar com o imperfeito é um exercício de desapego, e o desapego, meu amigo, é extremamente letal ao que chamamos por amor. 
As imaturidades dele, os desejos dela, o amor dele, os sentimentos dela, e um imenso abismo separando dois mundos. Amor demais, não, conforto, ou apenas orgulho, ferido, faltando paixão, e me perdoem os românticos incorrigíveis, nessa vida nada sobrevive sem uma boa dose de loucas e arrebatadoras paixões, sem a insensata e indescritível vontade de ser, estar, pertencer, possuir. Paixão por além de uma noite, além de uma cama, além de uma transa, além do prazer. Paixão que vem das vísceras, que vem do olhar.
Ele e ela, uma eterna e inconcebível incompatibilidade genética e genérica. E não levem em consideração os que dizem que os opostos se atraem, pura ilusão, os opostos se distraem, os dispostos se atraem. Extremos contrastantes, sem paixão, sem disposição.  
Voem longe, meus passarinhos, sejam mais, e sejam menos, abram suas asas, soltem suas feras, caiam na gandaia, entrem nessa festa que é viver. A vida pode não ser fácil, e acredite, não é, mas ela é uma só e o único jeito que a gente tem é enfiar o pé no acelerador e sair vivendo. Vamos, coragem, sem mais nenhum adeus disfarçado de até logo mais, que seja às claras, sejam honestos, não há mais ao que se prender, a unidade é fragmento. Não é o fim, mas é final, nesse amor não cabem mais vírgulas, esses são os frutos. O mundo só anda pra frente e a gente não avança sem deixar um monte de coisas para trás. Façamos as asas criarem raízes.

Comentários

  1. "Uma história de amor nunca é simples, e nunca acaba, mas tem seus pontos finais...".

    Já abriu o texto com chave de ouro, meu velho?
    Que feliz te ver de volta, sério. Ainda mais com essa história de amor que - suspeito - imita um pouco a vida... você tá ficando cada vez mais apurado na escolha das palavras. E eu estou muito orgulhosa. E feliz por ter insistido em você, né?

    "nessa vida nada sobrevive sem uma boa dose de loucas e arrebatadoras paixões, sem a insensata e indescritível vontade de ser, estar, pertencer, possuir. Paixão por além de uma noite, além de uma cama, além de uma transa, além do prazer. Paixão que vem das vísceras, que vem do olhar".

    concoooooooordo!

    vem cá, será que eu interpretei esse casal protagonista da forma certa ou é só mera coincidência? =XXX

    ResponderExcluir
  2. Lindo... simplismente lindo!
    eu me arrepiei em trechos, chorei, pensei...
    pra que mentir, fingir que perdoou, tentar ficar amigos sem rancor... nossa só me passava essa música na cabeça.
    cara, você foi muito intenso, foi muito verdadeiro e angustiante.
    ;)

    ResponderExcluir
  3. Loyane Rodrigues28/02/2011 23:36

    Pois é! Uma história de amor nunca é simples! Adorei o texto! Cada vez melhora! E o designe do blog... Nossa! Maravilhoso!

    ResponderExcluir
  4. acabam sim... quando se tornam rotina

    ResponderExcluir
  5. eh, essa história d ki os opostos se atraem só é verdade em novela!


    http://www.diariodagarotadevariasfaces.blogspot.com/
    visita o meu blog? me dá esse prazer ;)

    ResponderExcluir
  6. Adorei o texto. Realmente "o amor que se recebe não é, nem nunca será igual ao que se dá".

    ResponderExcluir
  7. E quem é que disse que a vida era fácil ?
    O que ajuda é a forma como cada um a vive, isso certamente diferencia muito.

    Dizem que as coisas mais especiais estão nas mais simples, certamente você faz juz a esta citação. Fiquei até arrepiada ao ler ;)

    Parabéns pelo bom uso das palavras.

    ResponderExcluir
  8. Cara, gostei muito do texto! Não por uma questão de concordar com o que disse, mas pela disposição, como você diz. Ele não abriu mão de todos os seus desejos, acho impossível. Como você disse, ele queria agrada-la, então era o seu desejo fazê-lo. ALgumas boas reflexões sobre o amor, sem tom de desfecho e sem explicações racionalistas. Uma relação em aberto. Opostos, iguais, unidade, atração...acho que somos muitos fragmentos, e mais fragmentos com os outros e somando sempre sem chegar ao fim da conta. Enfim, nem sei mais o que dizer. Sei que gostei e vou seguir.
    Abraço e continue escrevendo.

    ResponderExcluir
  9. Nooossa muti bom esse texto, adooorei.
    Concordo com tudo.
    Os opostos de atraem ? Nem sempre hein .
    Passa lá depois?
    http://jooymartins.blogspot.com/
    beeeeijos

    ResponderExcluir
  10. O que eu iria dizer era exatamente "Os opostos se atraem", e então você diz "Os opostos se distraem, os dispostos se atraem" e tem toda a razão do mundo.
    Incrível, adorei.

    ResponderExcluir
  11. Primeira vez que venho aqui e esse texto me fez chorar.
    Tão lindo que nem sei o que dizer! Me identifiquei, me emocionei, me apaixonei por suas palavras.
    Esta de parabéns!

    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Há tudo a perder. Sincericide-se

Postagens mais visitadas deste blog

Mônica

Hoje foi não foi um dia fácil, corri meio sem rumo, desacreditado, honrando compromissos que não pareciam se encaixar, seguindo o fluxo, deixando me levar. Fiz mais do que pude, falei mais do que sei, o tal peso da vida adulta. Já passa das 11, poderia escrever que estou sentado num sofá de couro, as luzes da cidade sobre mim, uma taça de vinho repousando sobre minhas pernas, uma fotografia perfeita para textos perfeitos. Mas minhas polaroides são borradas. Estou rencostado meio de lado, as costas doem, virei chácaras de café, relutante em dormir por essa noite, e te encontrar outra vez. Não vou mentir das vezes que pensei em você, das muitas vezes que meu coração saltou garganta afora ou ver seu nome cintilando no vidro fosco, e todo o circo que armei tentando agradar. Eu não sei onde quero chegar. Existe uma vida antes e outras dez depois de nós, ainda assim você não sai do meu sentimento. Ah, piegas, coisa de escritor romântico, que busca palavras bonitas para o ser amado. Coisa n…

Metonímias e Aliterações

Passeio pelas estações ouvindo grunhidos repetitivos semi nocivos, até que me pego cantarolando trechos de uma música qualquer daquela dupla pop que ninguém lembra o nome, o rosto, ou a poesia, não que fizesse alguma diferença. Hoje eu acordei olhei no espelho e não me vi. Horas a fio, o celular ferve por entre as mãos, silencioso e inquieto. Ensaiei centenas de maneiras de dizer um simples Hello, i want you let me jump in your play, mas me perdoe se eu não sei jogar, ou se talvez o saiba além das regras que insisto em (não) quebrar. Um joguinho é até divertido quando você está por perto. Penso que irei dobrá-lo, deixar me bater, vamos lá, querido, fique mais um pouco. I'll get him hot, show him what I've got. Revezo em encarar aqueles olhos, desejar aquela boca, e decifrar todos os teoremas fundamentais do universo. E daí que minh'alma segue num loop involuntário, divagando em diferentes infinitos... 
I need a hit, baby gimme it, it's dangerous I'm loving it, balb…

Alumínio

Sou desses que ousa dizer todas as coisas indizíveis das quais já ouvi calar. Enquadro em palavras e esquadrias fragmentos de absurdo abafados, suspirando os abusos. Nadando contra-corrente, incoerente, metendo os pés pelas mãos. Um. Dois. Três. Olhe bem para trás, e sem pensar em nada, pense no que realmente importa. Jogado no campo, fitando seus olhos, pergunto baixinho o que se ouve quando todos os ruídos calam? Quantas teses e antíteses nos trouxeram até aqui? Quantos poréns, mas, entre tantos sins e nãos, entre tantos lençóis. Desfilo em silêncio por entre a sala de jantar, desenho um cigarro no ar, chá entre as pernas, mas algo me escapa. Quão além da superfície se pode ir sem respirar? E quando tudo não passa de um segundo, quanto tempo sobra de tudo? Todas as minhas filosofias baratas, ignoradas pelos homens de bem, agora habitam nossos silêncios, justo quando o mundo pede um pouco mais de alma. Será que o tempo parou ou a gente que não viu? Nessas noites, desses muitos quere…