Pular para o conteúdo principal

Na Lama e na Cama

Mais um passo, e lá estava, despida, deitada, como sempre que nos víamos, com suas minúcias e afins. Seu olhar, seu tom de voz, e o mais óbvio, seu corpo, denunciavam o que estava por vir.
Não, você não tem razão, não agora, e sinceramente, duvido que algum dia tenha tido, afinal, seu hobby sempre foi esse, manipular mentes, e corpos. Talvez esse tenha sido seu erro durante todos esses anos, seu excesso de razão, com surtos sentimentalóides, psicóticos, nada homeopáticos, insanamente paquidérmicos. Seu erro foi toda essa certeza, o tempo todo, de tão certa perdeu a razão, sobretudo ao querer que as minhas razões fossem rigorosamente as mesmas que as tuas, larga mão de tanta babaquice. Hoje vejo que escolhi mal, você não é uma boa entendedora, tenho dúvidas que possa ser boa em algo, além da cama. E se em todos esses anos não foi capaz de perceber que minhas razões são bem distintas, e distantes, das tuas, só lamento. Não, elas não são melhores, nem piores, tampouco mais racionais – e por mais que acredite que sejam, jamais poderia admitir, amor à vida é algo que ainda me sobra –, ou quaisquer outros argumentos que você possa interpor, são apenas diferentes. Mas me parece que lidar com diferenças não é bem seu forte, suas verdades são postas à mesa como verdades estabelecidas, e ponto, minha banda toca noutro ritmo. De tão diferente que eu era, e de tanto que você tentou, conseguiu transformar-me ainda mais, ainda mais diferente, de você, ou do que você queria de mim. Agora só resta você reparar que nós, jamais poderíamos ser iguais, análogos, próximos – mais próximos. Somos homem e mulher, e isso, meu bem, já nos diz muita coisa.
Agora cala essa boca, e faça o que tem de ser feito.

Comentários

  1. Muito massa o seu texto..
    =)
    avisa a garota que ela ja pode se vestir
    :D
    vc tem talento
    :D

    ResponderExcluir
  2. Muito booom o seu texto!
    Parabéns!
    :D
    http://farofanordestina.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. UAU! Choquei, choquei de verdade, com todas as letras e cores. Noooooooooooooooossa, Su! Adorei seu lado ph ácido! Eu-te-uso-você-me-usa! Sem palavras, de verdade...

    ResponderExcluir
  4. loyane rodrigues16/03/2011 21:55

    Eu já disse que adoro a sua "sutileza"?! Ai,ai! De início, as primeira sfrases mesmo lembrou a mim, mas...

    ResponderExcluir
  5. Uns trechos são absurdos de bem escritos!
    Muito bom ler um texto tão certo no que dizer e com ótimo ritmo.

    ;D

    ResponderExcluir
  6. Relacionamentos... Transcendem os prazeres carnais!
    Acidez textual muito bem construída...


    http://temposurreal.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Veeii...eu comentei,mas n apareceu ¬¬
    Novamente...adorei o texto! :D
    Parabéns!
    (Depois te falo de forma mais consistente.Preguiça grande agora =~ )
    Beijos e queijos.

    ResponderExcluir
  8. Nossa, primeira vez passando aqui e gostei muito muito do que vi, parabéns

    "cala a boca e faça o que tem que ser feito"

    beijo ;*

    ResponderExcluir
  9. Que texto profundo, ótima reflexão. Momento ímpar esse, o agora, o já.
    Me fez refletir..será que é sempre assim?

    Beijos. Amei!
    Saudades também.

    ResponderExcluir
  10. Sobre o seu último comentário no meu blog: O tempo passa mais rápido do que podemos acompanhar, isso é assustador, mas não há opção.

    ResponderExcluir
  11. caraca... muito bom teu blog.
    assim que eu puder vou ler os posts mais antigos também! sei que vai valer a pena.
    www.camillazuquimtangerino.blogspot.com
    beijinhos ;*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Há tudo a perder. Sincericide-se

Postagens mais visitadas deste blog

Gatilho

Aí está a história de um homem. Era uma história muito engraçada, não tinha enredo, não tinha nada. Um homem que a única certeza que tinha era as incertezas que o movia, perguntas sem resposta, inseguranças sem razão. E seu maior medo, a falta de certeza, não ter razão. Queria voar sem tirar os pés do chão. Ver além, através. Colher certezas, ouvi-las. Por isso ele andava. Caminhava pelos dias, passeava pelas horas, via o que não se vê, de olhos bem abertos, dizia o que não devia ser dito, sentia o indizível, se acreditava impossível. Tanto quanto impulsivo, expansível, imprevisível. Dava a cara a tapa. A cara, a face, a outra, o corpo, a alma e o coração. De tanto apanhar perdeu o medo. Doer, doía, mas fazia parte. Se atirava em cataratas, enquanto buscava o tédio das águas mansas. Falava de si com a destreza de um bom conhecedor. Falava. Falava quando só precisava ouvir. Buscava. Devoto de Nosso Senhor Jesus Crítico, se dizia too cool, e se morria e se matava a cada novo soluço. Nã…

Metonímias e Aliterações

Passeio pelas estações ouvindo grunhidos repetitivos semi nocivos, até que me pego cantarolando trechos de uma música qualquer daquela dupla pop que ninguém lembra o nome, o rosto, ou a poesia, não que fizesse alguma diferença. Hoje eu acordei olhei no espelho e não me vi. Horas a fio, o celular ferve por entre as mãos, silencioso e inquieto. Ensaiei centenas de maneiras de dizer um simples Hello, i want you let me jump in your play, mas me perdoe se eu não sei jogar, ou se talvez o saiba além das regras que insisto em (não) quebrar. Um joguinho é até divertido quando você está por perto. Penso que irei dobrá-lo, deixar me bater, vamos lá, querido, fique mais um pouco. I'll get him hot, show him what I've got. Revezo em encarar aqueles olhos, desejar aquela boca, e decifrar todos os teoremas fundamentais do universo. E daí que minh'alma segue num loop involuntário, divagando em diferentes infinitos... 
I need a hit, baby gimme it, it's dangerous I'm loving it, balb…

Alumínio

Sou desses que ousa dizer todas as coisas indizíveis das quais já ouvi calar. Enquadro em palavras e esquadrias fragmentos de absurdo abafados, suspirando os abusos. Nadando contra-corrente, incoerente, metendo os pés pelas mãos. Um. Dois. Três. Olhe bem para trás, e sem pensar em nada, pense no que realmente importa. Jogado no campo, fitando seus olhos, pergunto baixinho o que se ouve quando todos os ruídos calam? Quantas teses e antíteses nos trouxeram até aqui? Quantos poréns, mas, entre tantos sins e nãos, entre tantos lençóis. Desfilo em silêncio por entre a sala de jantar, desenho um cigarro no ar, chá entre as pernas, mas algo me escapa. Quão além da superfície se pode ir sem respirar? E quando tudo não passa de um segundo, quanto tempo sobra de tudo? Todas as minhas filosofias baratas, ignoradas pelos homens de bem, agora habitam nossos silêncios, justo quando o mundo pede um pouco mais de alma. Será que o tempo parou ou a gente que não viu? Nessas noites, desses muitos quere…