Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2011

M.

Eu poderia te amar, mas não amo. Assim parecemos mais iguais, nesse jogo desregrado, que você, mulher, insiste em me prender. Faz que não percebe, não durmo a dias, meses, passo as noites a te querer, velando teu sono, sonhando teus sonhos, imaginando-me nos mais sórdidos. À noite, quando o café já nem faz mais efeito, é outra, diferente do que é, do que faz questão de ser, tão plena, mansa, menina aninhada, nos sonos mais profundos, em meus braços. Clichê, mentira, calúnia, crime inafiançável te ver e não te querer, improvável, impossível. Dá-me teu veneno que eu tanto gosto, essa tensão, paixão, tesão... Eu não te amo, eu apenas te quero. Não me reconheço mais, fizeste de mim um típico cafajeste, um cafajeste apaixonado...  Me encontra onde ninguém mais pode ir. E eu já nem me importo mais, nem com o medo, as aparências, os gostos e desgostos, nada importa. Eu te quero, agora, para sempre e por um instante. Na cama, na lama, em lugar algum, num lugar qualquer, um lugar comum. Eu não…

Tormenta

Ele é apenas uma criança, no auge de seus vinte e poucos anos, continua sendo uma criança, ao menos continua na luta pelo direito de poder ser uma, só por mais uns minutos. Uma criança perdida, num passado perdido, esquecido. Onde memórias borradas são apagadas a cada dia que passa. Menos um traço, um risco. Risco de perder-se, risco maior ainda, encontrar-se. O risco é não ter sentido. O risco é não ser sentido...
Eu preciso ir, agora, sair lá fora. Andar com os pés descalços no asfalto quente do meio dia, gelado da meia noite, na areia molhada da praia. Sentir o vento roçando meu rosto, despenteando meus cabelos, embaçando minha vista. Preciso me perder. Isso já não tá dando certo, não tem feito sentido, e nunca fez, não deveria fazer, não deveria ser preciso. Mas eu preciso... ser impreciso, buscar um sentido, algum tempo, umas manias novas, roupas novas... Um coração novo, menos calejado, menos gelado, menos poluído, mais nobre, mais pobre! Um músculo involuntário que pulse, apto …