Pular para o conteúdo principal

Iminente

Nem sempre palavras descrevem sentimentos, e isso me frustra. Como se fosse apenas uma simples questão de ser ou não ser... Eis a questão. Tudo se trata de uma escolha, um ponto de vista. Um ponto de partida. Doce solidão. Uma taça de vinho e um cigarro imaginário... E a vida assemelha-se a um pau: é curta, mas quando fica dura, parece tāo comprida. Vai pensando que conhecemos as pessoas. É hora do espanto? Ah se eu conseguisse entender metade das coisas que você se propõe a fazer... E se você pudesse ver como a linha da coerência é tênue e bamba. Mantenha-se ou volte pro picadeiro, e brinque de palhaço. Sigo sabendo que nada sei, e que o normal de antes já não me serve mais. Hoje a única coisa que pode tirar meu sono é se vai fazer sol amanhã.

Comentários

  1. A vida é um grande paradoxo. O mais certo é curtir um dia de cada vez, sem se preocupar com o amanhã.

    http://dinheirodemetal.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Créditos de colaboração indireta para Rita Lee e Loyane Rodrigues.

    ResponderExcluir
  3. As vezes é mesmo difícil fazer as coisas se cordenarem, o que pensamos, o que queremos, o que fazemos e o que dizemos. E quando se para pra pensar...

    - http://fernandaamylice.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. As palavras nem sempre explica sentimentos porque elas não sabem o que é sentir isso, ou aquilo, ou aquilo e tals. As palavras simplesmente nos fazem aprender que sempre são necessárias (;
    **
    Blog foda ! Seguindo (:
    ***
    http://viceveersa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. nossa, senti Fernanda young em vc, amigo!
    passando para ler-te!

    ResponderExcluir
  6. Minha solidão já foi doce, já foi bem vinda, mas as coisas mudaram.

    ResponderExcluir
  7. Pois é, não se sabe nem se o sol vai nascer pra gente, nem para o mundo. Já gostei dos teus textos de outra vez, vou colocar o link do seu blog no meu.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Há tudo a perder. Sincericide-se

Postagens mais visitadas deste blog

Melodrama

We accept the love we think we deserve.
Mas daí acordamos numa manhã ensolarada qualquer - setembro, talvez dezembro, o dia não importa - e antes mesmo de levantar da cama achamos que merecemos mais. 
Em minha mente ecoa um pedido de paz, pode ser tua voz, ou a minha própria. Você fala o que precisa ser dito, com letras bonitas e palavras difíceis. Um soco no estômago a ser sentido em suaves prestações, 48 horas depois.
Pra acordar é preciso estar dormindo.  Quase meio dia e ainda encaro fixamente a porta aberta, é como olhar pra trás, e lembrar da nossa história fadada ao afastamento. Assim como tudo na vida, eventualmente, acaba bem. And I know that I'll be happier. Como na música que eu ousei dizer ser nossa. Parece que não estávamos tão errados.
As lágrimas que escorrem pelo meu rosto hoje não voltarão a te tirar o sono amanhã. E não vamos aqui trabalhar esteriótipos de culpa ou falsas promessas de pra sempre. O sofrimento é cláusula leonina em qualquer caso, sem desculpas, é sob a …

Metonímias e Aliterações

Passeio pelas estações ouvindo grunhidos repetitivos semi nocivos, até que me pego cantarolando trechos de uma música qualquer daquela dupla pop que ninguém lembra o nome, o rosto, ou a poesia, não que fizesse alguma diferença. Hoje eu acordei olhei no espelho e não me vi. Horas a fio, o celular ferve por entre as mãos, silencioso e inquieto. Ensaiei centenas de maneiras de dizer um simples Hello, i want you let me jump in your play, mas me perdoe se eu não sei jogar, ou se talvez o saiba além das regras que insisto em (não) quebrar. Um joguinho é até divertido quando você está por perto. Penso que irei dobrá-lo, deixar me bater, vamos lá, querido, fique mais um pouco. I'll get him hot, show him what I've got. Revezo em encarar aqueles olhos, desejar aquela boca, e decifrar todos os teoremas fundamentais do universo. E daí que minh'alma segue num loop involuntário, divagando em diferentes infinitos... 
I need a hit, baby gimme it, it's dangerous I'm loving it, balb…

Gatilho

Aí está a história de um homem. Era uma história muito engraçada, não tinha enredo, não tinha nada. Um homem que a única certeza que tinha era as incertezas que o movia, perguntas sem resposta, inseguranças sem razão. E seu maior medo, a falta de certeza, não ter razão. Queria voar sem tirar os pés do chão. Ver além, através. Colher certezas, ouvi-las. Por isso ele andava. Caminhava pelos dias, passeava pelas horas, via o que não se vê, de olhos bem abertos, dizia o que não devia ser dito, sentia o indizível, se acreditava impossível. Tanto quanto impulsivo, expansível, imprevisível. Dava a cara a tapa. A cara, a face, a outra, o corpo, a alma e o coração. De tanto apanhar perdeu o medo. Doer, doía, mas fazia parte. Se atirava em cataratas, enquanto buscava o tédio das águas mansas. Falava de si com a destreza de um bom conhecedor. Falava. Falava quando só precisava ouvir. Buscava. Devoto de Nosso Senhor Jesus Crítico, se dizia too cool, e se morria e se matava a cada novo soluço. Nã…