Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2012

Sober

Dia estranho. Cara estranho. Uma estranha sensação de depressão se apossando daquela falta de sentido. Sentimento forasteiro, banal, de algum tipo qualquer de problema sem resolução. Era um nada a mais fora do lugar comum. É mesmo tudo tão comum, tudo muito bom, tudo muito bem. A mesma velha bipolaridade, e o receio de que a fossa explodisse e toda a merda batesse a porta. Pânico. O dia inteiro com a voz amarrada, a garganta arranhada, estranhando até mesmo as tintas e os azulejos do quarto, da cozinha e da sala de estar. Tateando, timidamente, no escuro do meio dia, buscando encontrar vestígios de hombridade e coragem, e quem sabe destruí-los dolorosamente, pouco a pouco. Eu aqui de fora encarava fixamente aqueles olhos vidrados, azuis, verdes, castanhos, como se fizesse alguma diferença. Eram belos, gélidos, distantes. Sentia o sangue se esvair, por um segundo estacionar, retomando um caminho rebelde, ardente. Segurava-me pelos pés enquanto deixava roubarem-me o fôlego. Aos meus, …

Reza Vela

Eu tenho medo.
Medo do meu reflexo no espelho. Das voltas que minha sombra dá.
Tenho medo do balanço do fogo, da cera da vela. Medo das madrugada.
Tenho medo de abrir a porta, e de continuar trancafiado aqui, sem ar, sem luz.
Me tremo só de bater os olhos, num lance, cada feixe, cada vulto...
Tenho medo de pensar, de um dia acordar.
Tenho medo de olhar pra frente e enxergar meus pecados, meu erros. Tenho medo de encarar meus desafios. Medo de escolher, e errar outra vez.
Tenho medo de voltar a confiar. Tenho medo de acreditar.
Até o mês passado era você quem me dizia que tudo isso faria sentindo.
Tenho medo de não poder falar, não ter o que falar, pra quem falar.
Aonde esta você agora além de aqui dentro de mim? Já dizia algum estúpido lúcido.
Tenho medo de não sentir mais. Tenho medo de nunca mais poder te tocar, te pegar em meus braços e fingir que tudo isso não existe.
Tenho medo de parar, e nunca mais conseguir retomar o caminho. E se as palavras me fugirem? Será que você ainda es…