Pular para o conteúdo principal

Lateral


Outra manhã de outono, outro dia qualquer. Levanto da cama, me jogo no chão, bebo o café, faço careta, acordo pra vida. Debruço-me na janela lateral, a mesma rua, a mesma lama, o mesmo dia, de novo. A cama do outro lado, a parede debaixo, e não há chão. Conversas afiadas, vazias, brindes ensaiados, vou sendo capturado por abraços forjados, a cada passo em falso, um sorriso que se vai, parte de mim. A lama escorre pelo meio fio, invadindo a sala. E as pessoas na sala de jantar.

Meia volta do ponteiro. O porteiro grita, o elevador para, o mundo fala do tempo, sem parar. Num minuto são todos amigos de fila, colegas de bar, confidentes de mesa. Todos preocupados em nascer, viver mais um dia, e não morrer antes do fim. 

Um único desejo, que não seja apenas mais uma manhã de outono.  

Uma hora o tempo para, vira o avesso dos ponteiros, e a gente cansa. Girando, girando, girando, rodopiando feito pião. Cansa das meias verdades, das meias palavras, dos sorrisos amarelos e indiscretos, do copo vazio, da metade, do lado de cá. 

Gritaria. Correria. O velho da casa ao lado. Deixe-me adivinhar: artéria obstruída, coração parado, corpo gelado, caixão aberto. Eis apenas mais um morto vivo. Viva. Fique alerta.

Quem é feliz? Eu fui uma vez. E o vento levou. Para lá, do lado oposto de quem vem, partiu com todo o verbo, todo sentido, cansando essa gente que passa o tempo tentando agradar, enquanto só pensa em matar. Tudo que sei a respeito dos homens é estranho. 

Estranho mesmo é a tal diplomacia de botequim, chamemos assim, esse jeito sei lá como, mais ou menos, médio, produto do meio, humano. Ausente, porém carente, sem ter de ser coerente, sorrindo as e vivendo pelas - beiradas. E ainda me acusam de roubar a verdade, aquela da qual sou dono. Ai, ai... Bailando no meio fio, achando graça da vida, dançando na chuva, debaixo do meu guarda-chuva. Eu vou.

Dá licença, mas eu vou sair do sério. Quero ir pronde o choro é um só, é inteiro, sorriso aberto, beber do leite derramado, azedar o doce. O que farão de mim? Pouco importa. Deixe que façam. O branco é branco, e isso deve ter algum sentido. Haja o que houver, o leão atacará sem dó, e não há de se falar em piedade, nem perdão.

O fim de uma noite de outono, depois de outro dia qualquer. É carne, é osso, é duro.


Comentários

  1. Extravasar... Jogar fora o que não tem valor e deixar o que é realmente intenso chegar... Lindo seu texto!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Há tudo a perder. Sincericide-se

Postagens mais visitadas deste blog

Alumínio

Sou desses que ousa dizer todas as coisas indizíveis das quais já ouvi calar. Enquadro em palavras e esquadrias fragmentos de absurdo abafados, suspirando os abusos. Nadando contra-corrente, incoerente, metendo os pés pelas mãos. Um. Dois. Três. Olhe bem para trás, e sem pensar em nada, pense no que realmente importa. Jogado no campo, fitando seus olhos, pergunto baixinho o que se ouve quando todos os ruídos calam? Quantas teses e antíteses nos trouxeram até aqui? Quantos poréns, mas, entre tantos sins e nãos, entre tantos lençóis. Desfilo em silêncio por entre a sala de jantar, desenho um cigarro no ar, chá entre as pernas, mas algo me escapa. Quão além da superfície se pode ir sem respirar? E quando tudo não passa de um segundo, quanto tempo sobra de tudo? Todas as minhas filosofias baratas, ignoradas pelos homens de bem, agora habitam nossos silêncios, justo quando o mundo pede um pouco mais de alma. Será que o tempo parou ou a gente que não viu? Nessas noites, desses muitos quere…

Gatilho

Aí está a história de um homem. Era uma história muito engraçada, não tinha enredo, não tinha nada. Um homem que a única certeza que tinha era as incertezas que o movia, perguntas sem resposta, inseguranças sem razão. E seu maior medo, a falta de certeza, não ter razão. Queria voar sem tirar os pés do chão. Ver além, através. Colher certezas, ouvi-las. Por isso ele andava. Caminhava pelos dias, passeava pelas horas, via o que não se vê, de olhos bem abertos, dizia o que não devia ser dito, sentia o indizível, se acreditava impossível. Tanto quanto impulsivo, expansível, imprevisível. Dava a cara a tapa. A cara, a face, a outra, o corpo, a alma e o coração. De tanto apanhar perdeu o medo. Doer, doía, mas fazia parte. Se atirava em cataratas, enquanto buscava o tédio das águas mansas. Falava de si com a destreza de um bom conhecedor. Falava. Falava quando só precisava ouvir. Buscava. Devoto de Nosso Senhor Jesus Crítico, se dizia too cool, e se morria e se matava a cada novo soluço. Nã…

Mônica

Hoje foi não foi um dia fácil, corri meio sem rumo, desacreditado, honrando compromissos que não pareciam se encaixar, seguindo o fluxo, deixando me levar. Fiz mais do que pude, falei mais do que sei, o tal peso da vida adulta. Já passa das 11, poderia escrever que estou sentado num sofá de couro, as luzes da cidade sobre mim, uma taça de vinho repousando sobre minhas pernas, uma fotografia perfeita para textos perfeitos. Mas minhas polaroides são borradas. Estou rencostado meio de lado, as costas doem, virei chácaras de café, relutante em dormir por essa noite, e te encontrar outra vez. Não vou mentir das vezes que pensei em você, das muitas vezes que meu coração saltou garganta afora ou ver seu nome cintilando no vidro fosco, e todo o circo que armei tentando agradar. Eu não sei onde quero chegar. Existe uma vida antes e outras dez depois de nós, ainda assim você não sai do meu sentimento. Ah, piegas, coisa de escritor romântico, que busca palavras bonitas para o ser amado. Coisa n…