Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2012

Etílico

Ando sonhando acordado. Fingindo que já te esqueci. Colecionando estrelas, vendendo canções. Desperto no meio da noite, atordoado. Reviro os lençóis, procurando o que jamais esteve aqui. Sento-me à beira do abismo, com os pés pra fora, assumo meu risco. Da janela do quarto andar, as pessoas insistem em parecer as mesmas pessoas. Me resta a reza. Fechar as portas, e rezar. Pedir pelo abraço perdido. O amor escondido. O beijo não dado. O amigo calado. Choro... Soluço, sobre o café derramado, o pão dormido, a geladeira vazia, fria. Imploro por uma doze de gim, ou outro artificial qualquer que me faça sair daqui. Que me leve até você. Onde o mundo parece real. Longe dos meus sonhos, longe do meu tempo. Longe de mim. O mundo aqui de cima parece meio ao contrário. Sereno, como mar, quando ela pisou na areia... O mar serenou. Daqui também o vejo, eu e o percevejo, me encarando, omitindo sua lânguida face, dentre as sombras das ondas que se vão e não voltam mais. Daqui de cima ele manda, e eu obed…

Vinte e três

Passou quase sem se sentir. Na rua dos dias que voam, pulei horas, ignorei as folhinhas do calendário. Resisti. São oito dias para o fim do mês. Gastei meu tempo fingindo não existir, necrosando o que me restou de amor. Faz tanto tempo que eu não te vejo queria o seu beijo outra vez. Eu só vivo pensando em você, não, não é sem querer. Sinto sua falta, sinto só em pensar lembrar você. Lembrar daquelas verdades inteiras atravessadas na garganta, dos silêncios cheios de si, foras de si... De te olhar. Faz falta a lama em que caímos, onde lutamos e onde nos rendemos. Onde foi que nos enfiamos? Sinto por lembar das correspondências trocadas, das cartas rasgadas e não enviadas. Por quebrar os telhados dos vizinhos. Por derrubar nossas máscaras. Sinto por não ser mais um menino, e não mais  te ter como minha mulher. Sinto por não saber o que fazer, nem do caminho a seguir, e me curvo ao lembrar de quando me amarrei aos pés da cama feito um bobo apaixonado, recusando-me de acordar. Sinto falta da…