Pular para o conteúdo principal

Canção pra você viver mais



Ele gostava de ouvir a chuva e de dormir com a cabeça apoiada no meu colo. 
Eu gostava de desenhar futuros contra o vidro embaçado da janela, como um arquiteto do inesperado, e de passar os dedos pelos cabelos dele. 
De vez em quando, nossos gostares coincidiam e passávamos madrugadas dividindo estes pequenos silêncios, entremeados pelos suspiros pesados dele e meus cochilos ocasionais – luxo a que os dias longos me davam direito.  
De vez em quando, nestas noites acordadas, fazíamos amor. Ele enterrava o rosto no meu coloo jeito dele de me dizer que estava acordadoe eu estendia o limite das minhas carícias dos seus cabelos até a base da coluna – ele não conseguia conter os arrepios. Não demorava muito até estarmos nus sob os cobertores, dançando em ritmos descompassados e, de alguma forma, complementares. 
A coisa toda começou numa noite que ele chegou em casa com os olhos nublados. Tentou disfarçar, alegou cansaço, mas a expressão dura e os olhos o traíram. Eu era excepcionalmente boa em ler seus olhares. Muda, o observei largar na mesa de jantar um papel abarrotado, que ele trazia apertado na mão momentos antes. Ele o encarou com repulsa e tristeza, como se aquele pedaço de papel carregasse uma sentença de morte ou algo pior. 
Tentei inquiri-lo, acalmá-lo, mas ele repeliu rispidamente todas as minhas aproximações. Mal jantou, tomou um banho demorado e largou-se na cama, sem dizer palavra alguma, o rosto inteiramente coberto pelo travesseiroPor mais que eu entendesse que algo muito sério deveria ter acontecido, não consegui conter uma onda de irritação com a rudeza com que ele me tratouTomei meu banho, tirei uma camisola da gaveta e já saía do quarto, decidida a dormir no sofá, quando ele ergueu um pouco o travesseiro e pude entrever um de seus olhos. 
 Ei. 
Exasperada, me virei para ele. 
 O que você quer?  perguntei, seca. A maturidade não me deu a capacidade de disfarçar minhas emoções, infelizmente. 
 Silêncio.  
Soltei um suspiro de impaciência e fiz menção de sair do quarto, mas ele me chamou de volta: 
 Não...  ele ergueu a cabeça.  O seu... Eu quero o seu silêncio... 
 O quê?  estanquei, confusa. 
 Você poderia ficar aqui... Em silêncio, mas comigo?  o tom de súplica na voz dele me fez encará-lo longamente, com uma das mãos ainda no trinco. 
Com um suspiro, fechei a porta, desamarrei meu robe e subi na cama. Recostei-me contra a janela – chovia – e estendi uma das mãos para ele. Ele a agarrou com um ímpeto assustador e eu, por impulso, a apertei. Prendemos a respiração por alguns segundos até que ele se lançou sobre meu colo, abraçou-me pela cintura e escondeu o rosto entre minhas pernas. Achei que ele fosse cair no choro ali mesmo, mas sua respiração se acalmou e ele adormeceu. 
Foi assim que percebi que todos meus silêncios seriam dele, dali em diante. Começamos a dividir aqueles pequenos momentos de paz imperturbável, feitos de silêncio e chuva. Não aconteciam sempre, mas não precisávamos dizer nada para que acontecessem. Era um entendimento mudo, uma combinação entre o nublado dos nossos olhos e do céu.  
Foram estas noites de observá-lo dormir que me fizeram amá-lo.  
Transformamos o silêncio em uma canção e eu continuei a cantá-la por muitas noites, mesmo que seu preço fossem as marcas fundas e arroxeadas sob meus olhos, que faziam as pessoas questionarem minha saúde. Mesmo que eu o notasse cada dia mais leve, seu peso contra minhas pernas diminuindo, sua aparência cansada, continuei a cantá-la.  
Mesmo que a resposta estivesse no papel roto que ele amassara e escondera de mim, que ele se recusasse a me dizer qual o problema e onde passava todas as tardes – porque no fundo eu sabia de tudo –, continuei a cantar aquela canção. Porque era uma prece. Uma súplica. Um remédio.  
Uma canção pra que ele vivesse mais e assim nossos pequenos silêncios nunca se calassem. Eu continuo a cantá-la até hoje.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gatilho

Aí está a história de um homem. Era uma história muito engraçada, não tinha enredo, não tinha nada. Um homem que a única certeza que tinha era as incertezas que o movia, perguntas sem resposta, inseguranças sem razão. E seu maior medo, a falta de certeza, não ter razão. Queria voar sem tirar os pés do chão. Ver além, através. Colher certezas, ouvi-las. Por isso ele andava. Caminhava pelos dias, passeava pelas horas, via o que não se vê, de olhos bem abertos, dizia o que não devia ser dito, sentia o indizível, se acreditava impossível. Tanto quanto impulsivo, expansível, imprevisível. Dava a cara a tapa. A cara, a face, a outra, o corpo, a alma e o coração. De tanto apanhar perdeu o medo. Doer, doía, mas fazia parte. Se atirava em cataratas, enquanto buscava o tédio das águas mansas. Falava de si com a destreza de um bom conhecedor. Falava. Falava quando só precisava ouvir. Buscava. Devoto de Nosso Senhor Jesus Crítico, se dizia too cool, e se morria e se matava a cada novo soluço. Nã…

Metonímias e Aliterações

Passeio pelas estações ouvindo grunhidos repetitivos semi nocivos, até que me pego cantarolando trechos de uma música qualquer daquela dupla pop que ninguém lembra o nome, o rosto, ou a poesia, não que fizesse alguma diferença. Hoje eu acordei olhei no espelho e não me vi. Horas a fio, o celular ferve por entre as mãos, silencioso e inquieto. Ensaiei centenas de maneiras de dizer um simples Hello, i want you let me jump in your play, mas me perdoe se eu não sei jogar, ou se talvez o saiba além das regras que insisto em (não) quebrar. Um joguinho é até divertido quando você está por perto. Penso que irei dobrá-lo, deixar me bater, vamos lá, querido, fique mais um pouco. I'll get him hot, show him what I've got. Revezo em encarar aqueles olhos, desejar aquela boca, e decifrar todos os teoremas fundamentais do universo. E daí que minh'alma segue num loop involuntário, divagando em diferentes infinitos... 
I need a hit, baby gimme it, it's dangerous I'm loving it, balb…

Alumínio

Sou desses que ousa dizer todas as coisas indizíveis das quais já ouvi calar. Enquadro em palavras e esquadrias fragmentos de absurdo abafados, suspirando os abusos. Nadando contra-corrente, incoerente, metendo os pés pelas mãos. Um. Dois. Três. Olhe bem para trás, e sem pensar em nada, pense no que realmente importa. Jogado no campo, fitando seus olhos, pergunto baixinho o que se ouve quando todos os ruídos calam? Quantas teses e antíteses nos trouxeram até aqui? Quantos poréns, mas, entre tantos sins e nãos, entre tantos lençóis. Desfilo em silêncio por entre a sala de jantar, desenho um cigarro no ar, chá entre as pernas, mas algo me escapa. Quão além da superfície se pode ir sem respirar? E quando tudo não passa de um segundo, quanto tempo sobra de tudo? Todas as minhas filosofias baratas, ignoradas pelos homens de bem, agora habitam nossos silêncios, justo quando o mundo pede um pouco mais de alma. Será que o tempo parou ou a gente que não viu? Nessas noites, desses muitos quere…