Pular para o conteúdo principal

Nome Qualquer


Dias comuns quase sempre são tão comuns… 

Esta noite quando a insônia bateu à porta, hesitei em responder, sem qualquer cerimônia resolveu entrar. Duas, três, quatro horas, quem conta? Dividimos a mesma marca nos olhos, a mesma xícara de chá, os mesmos clichês. Olhos nos olhos, confabulamos sobre o infinito, e sobre como as coisas morrem. A graça de que tudo que é imortal não morre no final. Trocamos bilhetes rabiscados nos vazios de nossa pele. Provamos daquela ironia tão perversa, àquela que nos cabia. Terminamos sobre o carpete, bêbados e apaixonados, meio a gargalhadas estridentes, quase tímidas.

- Apenas acredite na simetria das coisas.

Concluímos que ambos abusamos de métodos equivocados. Você não precisa de fato abrir a caixa para ter plena certeza de que o gato está morto. Há fortes indícios para tanto. O gato morreu há tempos. Não faz o menor sentido abrir a caixa e encarar o tamanho do estrago. Não hoje, não agora. Simplesmente não, porque não. Não há o que se fazer se o gato ainda estiver vivo. Bem, no fundo tratamos de escolhas, não?! Pois bem, concordemos que atirei o pau no gato e o gato está morto. Firmamos uma sólida exceção ao colapso objetivo. O vício é o fundamento de toda história baseada na obsessão. Mas se não há reciprocidade, não passa de mera insistência. É muito fácil ser cínico no amor. Talvez minha fama de mau nunca tenha sido suficiente. Passamos a maior parte do tempo tentando entender porque nunca conseguimos entender justamente o que estamos tentando entender. Não quero ser visto como um garoto preso entre sonhos e fantasias, mas hoje o acaso me mandou um sinal. Nem sempre a insônia é a última a dormir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Metonímias e Aliterações

Passeio pelas estações ouvindo grunhidos repetitivos semi nocivos, até que me pego cantarolando trechos de uma música qualquer daquela dupla pop que ninguém lembra o nome, o rosto, ou a poesia, não que fizesse alguma diferença. Hoje eu acordei olhei no espelho e não me vi. Horas a fio, o celular ferve por entre as mãos, silencioso e inquieto. Ensaiei centenas de maneiras de dizer um simples Hello, i want you let me jump in your play, mas me perdoe se eu não sei jogar, ou se talvez o saiba além das regras que insisto em (não) quebrar. Um joguinho é até divertido quando você está por perto. Penso que irei dobrá-lo, deixar me bater, vamos lá, querido, fique mais um pouco. I'll get him hot, show him what I've got. Revezo em encarar aqueles olhos, desejar aquela boca, e decifrar todos os teoremas fundamentais do universo. E daí que minh'alma segue num loop involuntário, divagando em diferentes infinitos... 
I need a hit, baby gimme it, it's dangerous I'm loving it, balb…

Melodrama

We accept the love we think we deserve.
Mas daí acordamos numa manhã ensolarada qualquer - setembro, talvez dezembro, o dia não importa - e antes mesmo de levantar da cama achamos que merecemos mais. 
Em minha mente ecoa um pedido de paz, pode ser tua voz, ou a minha própria. Você fala o que precisa ser dito, com letras bonitas e palavras difíceis. Um soco no estômago a ser sentido em suaves prestações, 48 horas depois.
Pra acordar é preciso estar dormindo.  Quase meio dia e ainda encaro fixamente a porta aberta, é como olhar pra trás, e lembrar da nossa história fadada ao afastamento. Assim como tudo na vida, eventualmente, acaba bem. And I know that I'll be happier. Como na música que eu ousei dizer ser nossa. Parece que não estávamos tão errados.
As lágrimas que escorrem pelo meu rosto hoje não voltarão a te tirar o sono amanhã. E não vamos aqui trabalhar esteriótipos de culpa ou falsas promessas de pra sempre. O sofrimento é cláusula leonina em qualquer caso, sem desculpas, é sob a …

Alumínio

Sou desses que ousa dizer todas as coisas indizíveis das quais já ouvi calar. Enquadro em palavras e esquadrias fragmentos de absurdo abafados, suspirando os abusos. Nadando contra-corrente, incoerente, metendo os pés pelas mãos. Um. Dois. Três. Olhe bem para trás, e sem pensar em nada, pense no que realmente importa. Jogado no campo, fitando seus olhos, pergunto baixinho o que se ouve quando todos os ruídos calam? Quantas teses e antíteses nos trouxeram até aqui? Quantos poréns, mas, entre tantos sins e nãos, entre tantos lençóis. Desfilo em silêncio por entre a sala de jantar, desenho um cigarro no ar, chá entre as pernas, mas algo me escapa. Quão além da superfície se pode ir sem respirar? E quando tudo não passa de um segundo, quanto tempo sobra de tudo? Todas as minhas filosofias baratas, ignoradas pelos homens de bem, agora habitam nossos silêncios, justo quando o mundo pede um pouco mais de alma. Será que o tempo parou ou a gente que não viu? Nessas noites, desses muitos quere…